A noite do UFC 200 de fato vai ficar na história do MMA mundial. Pela primeira vez, a maior organização de MMA do mundo realizou três eventos consecutivos na mesma semana, e terminou com 2 cinturões para o Brasil, sendo um deles inédito. Após Rafael dos Anjos perder o cinturão da categoria peso-leve para o americano Eddie Alvarez na quinta-feira, e Cláudia Gadelha não conseguir tomar o cinturão da categoria peso-palha feminino da polonesa Joanna Jedrzejczyk na sexta-feira, José Aldo e Amanda Nunes garantiram os dois únicos cinturões para o Brasil dentre as 10 categorias de peso da organização.

Foi uma noite de grandes lutas que terminou com bônus de "Performances da noite" para Amanda Nunes, Cain Velasquéz, Joe Lauzon e Gegard Mousasi e cada um levou US$ 50 mil.

Publicidade
Publicidade

No card preliminar, os brasileiros Thiago Marreta e Raphael Assunção perderam suas lutas para respectivamente Gegard Mousasi e TJ Dillashaw.

No card principal, o primeiro brasileiro a entrar no octógono foi José Aldo, que após sua derrota para o irlandês Conor Mcgregor em dezembro do ano passado, iria tentar reconquistar o cinturão da categoria peso-pena. A disputa com Frankie Edgar valeu o cinturão interino para Aldo, que irá ter sua revanche, ainda não marcada, para tentar unificar o título. O brasileiro venceu o americano por decisão unânime dos juízes (49-46, 49-46 e 48-47).

Em seguida foi a vez de Anderson Silva. O "spider" aceitou a luta contra o americano Daniel Cormier apenas dois dias antes da data marcada para o evento, após o exame antidoping de Jon Jones atestar positivo. Mesmo perdendo a luta por pontos (triplo 30-26), Anderson foi muito aplaudido e conquistou a maioria da torcida que estava presente na arena em Las Vegas.

Publicidade

O grande feito ficou por conta da brasileira Amanda Nunes, fechando a noite do #UFC 200. A baiana de 28 anos, faixa preta de Jiu-Jitsu e faixa marrom de Judô, venceu por finalização no primeiro round, com um mata-leão, a americana Miesha Tate e se tornou a primeira brasileira campeã do UFC. Amanda poderá ter que defender o seu cinturão da categoria peso-galo feminino ainda este ano, mas ainda não se sabe a data e qual adversária terá de enfrentar.