Vinícius Furlan roubou a cena no Moisés Lucarelli na tarde deste domingo (3), mas o árbitro teve seus auxiliares como coadjuvantes na lambança que acabou por render a derrota do São Paulo diante da Ponte Preta, por 1 a 0. Nem Moe, Larry e Curly - personagens dos Três Patetas, grupo de comédia norte-americano que existiu entre 1922 e 1970 -, atuariam tão atrapalhados quanto o trio de arbitragem presente no interior paulista.

Tudo começou com a expulsão do lateral-esquerdo do São Paulo, Matheus Reis, aos 8 minutos do primeiro tempo. Após cometer falta sobre o volante da Macaca, Matheus Jesus, Reis foi advertido com cartão amarelo exibido por Furlan que, ao constatar um pequeno ferimento na canela do jogador da Ponte, após dar atenção aos espasmos do técnico campineiro Eduardo Baptista com o auxiliar Bruno Salgado Rizzo, decidiu por sacar o cartão vermelho contra o atleta são-paulino.

Publicidade
Publicidade

Edgardo Bauza se revoltou com a atitude do árbitro e nem teve tanto tempo para esbravejar com o colega adversário, pois foi logo acompanhar Reis rumo aos vestiários, após ser expulso por Furlan.

Assim, os reservas tricolores passaram ao comando do auxiliar técnico José Di Leo, que resolveu alterar o time aos 17 minutos. Na tentativa de suprir a ausência de Matheus Reis na lateral esquerda, Di Leo substituiu Luiz Araújo por Carlinhos, para a recomposição do setor. Era colocado por terra, parte dos planos de Bauza em preservar seus principais jogadores para a importante partida do meio de semana, contra o Atlético Nacional-COL, pela Libertadores. Carlinhos seria um dos poupados.

A Ponte Preta usou e abusou dos equívocos da arbitragem, mas não saiu tão ilesa. Após agredir Centurión no rosto, o 'ferido' Matheus Jesus recebeu cartão amarelo e logo foi substituído pelo técnico Baptista para não acabar expulso de campo, já que os ânimos estavam exaltados em ambas as equipes.

Publicidade

O primeiro tempo da disputa pela 13ª rodada do Brasileirão foi de poucas chances criadas pelo time anfitrião, diferentemente do São Paulo, que projetou Alan Kardec para abrir o placar ao ficar frente a frente com o arqueiro da Ponte, João Carlos, mas o lance foi absurdamente entendido pelo bandeira Fabrício Porfírio de Moura como impedimento, o que não aconteceu.

Os donos da casa fizeram o único gol do jogo apenas ao segundo tempo, com Clayson, que aproveitou rebote do goleiro Denis, após explosão de uma bola chutada por Wellington Paulista. 

A partida seguiu nervosa e Vinícius Furlan advertiu quase todas as faltas exibindo cartão amarelo, mas acabou não dando um vermelho para Fábio Ferreira, que já estava amarelado, por agressão em Calleri, colocado em campo no fim da partida apenas para ganhar ritmo.

Com a vitória, o time de Campinas alcança 20 pontos e toma o lugar do São Paulo que, com a derrota, caiu da oitava para a 10ª posição na tabela de classificação do #Campeonato Brasileiro. #Resenha Esportiva #São Paulo FC