No último final de semana, vésperas das OlimpíadasJayson Lee foi sequestrado pela Polícia Militar do Rio de Janeiro. Conforme documento divulgado pela mídia, o atleta pagou até R$ 2 mil para que pudesse ser liberado.

Jayson foi abordado em uma blitz pela PM, dizendo que não poderia andar sem documentos na cidade e que deveria passar na Polícia Federal para pagar uma multa de até R$ 2 mil (multa que segundo os PMs poderia ser paga diretamente à eles). Após esse primeiro fato, Lee foi orientado a seguir duas motos até um posto de polícia, onde teve que entrar em um carro particular até Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, onde foi orientado a sacar inicialmente R$ 1 mil.

Publicidade
Publicidade

Segundo o lutador, ele ainda foi levado a outro banco para sacar o restante do valor. Após esses fatos ocorridos, o atleta foi liberado pela polícia após pagar a quantia estipulado, mostrando o comprovante de pagamento.

Segundo ele, os supostos policiais o revistaram e exigiram os documentos dos veículos, era uma viatura e duas motos. Jayson falou que apresentou os dois e, em seguida, o lutador contou que um policial de pele negra e careca e outro moreno, de cabelo curto, informaram que ele deveria pagar a quantia para ser liberado.

O sequestro aconteceu na Linha Vermelha, quando Jaison voltava de uma competição de jiu-jitsu em Resende. Dois policiais do Batalhão de Vias Expressas (BPVE) estão presos, serão submetidos a um processo administrativo disciplinar e podem ser expulsos da corporação.

Publicidade

Relato na rede social

"O que fizeram de bom ontem? Eu fui sequestrado. Go Olympics! ##Rio2016", postou no Twitter o lutador, que não compete na Olimpíada – jiu-jitsu não está entre as modalidades.

"Eu não tenho certeza o que é mais deprimente, o fato de essas coisas estarem acontecendo com os estrangeiros tão perto dos Jogos Olímpicos ou o fato de que os brasileiros têm de viver em uma sociedade que permite que essa grande besteira diariamente. Este lugar é bem e verdadeiramente f... em todos os sentidos da palavra que se possa imaginar." #Crime #Casos de polícia