O Comitê Organizador das Olimpíadas do Rio de Janeiro está passando por uma situação apreensiva. Pelo menos 20 mil ingressos foram devolvidos na última semana, a maioria deles de turistas que viriam do exterior, especialmente dos Estados Unidos. Além disso, faltando uma semana para a abertura dos jogos, mais de 1,3 milhão de ingressos sequer foram vendidos. O número representa mais de 20% do total, o que mostra que a Olimpíada não foi todo o sucesso que se plantou. No entanto, o Comitê que organiza a festa negou nesta sexta-feira, 29, que tenha algum problema de vendas e informou que os problemas na Vila Olímpica e assaltos a estrangeiros não teria mudado a frequência de vendas. 

A entidade diz que conforme vai se aproximando o evento mais gente se interessa em comprar entradas para acompanhar tudo.

Publicidade
Publicidade

No entanto, por mais que fale, o Comitê não consegue esconder o quão intrigante é o fato de um em cada cinco ingressos não ter sido vendido. A carga de entradas para o evento é de 6,1 milhão de entradas. Muitas a preços salgados, que chegam aos quatro dígitos. Em plena crise, até mesmo os brasileiros que possuem condições melhores no sentido financeiro não compraram as entradas. 

O Zika Vírus, a famosa violência do Rio de Janeiro, a sujeira das praias e a possibilidade de terrorismo também podem ter afastado muitos terroristas. Por enquanto, 4,8 milhões de entradas já foram vendidas. O diretor de ingressos da Rio-2016, Donovan Ferreti, disse ao UOL que na quinta-feira, 28, foi vendida a mesma quantidade de entradas da data do dia anterior. Comenta-se nos bastidores que a baixa procura fez com que o Comitê procurasse ajuda do governo federal para ajudar com alguns despesas. 

A entidade até disse que chegou a negociar algumas coisas, como uso de gasolina e energia elétrica, mas que isso não estaria relacionado a um suposto fracasso dos jogos.

Publicidade

Enquanto isso, muitas pessoas perguntam-se como tudo acontecerá. O jeito é esperar até o dia 05 de agosto, quando haverá o show no Maracanã.  #Rio2016