Como tudo em que o Brasil faz, no início dá "aquela decepcionada", mas depois, com o jeitinho brasileiro que só ele tem, consegue levar alegria para o povo. Foi exatamente assim nesses Jogos Olímpicos, quem pode negar? Todos prevíamos um resultado que já estava mais que "certo" na Rio 2016, mas, de repente, tudo começou a desmoronar e o brasileiro foi pouco a pouco murchando, como uma flor que aos pouquinhos vai perdendo sua cor e seu brilho.

Claro que tivemos muito a nos decepcionar, por exemplo, pela meta anteriormente dada (27 medalhas) e depois pela meta de fato atingida (19 medalhas), mas se formos parar para pensar, também tivemos belos motivos para comemorar, principalmente no que diz respeito ao desempenho do Brasil com seus "vizinhos", que comparado com toda a América do Sul e o Caribe, foi o melhor.

Publicidade
Publicidade

Aliás, se pensarmos numa competição hipotética entre a América do Sul como um todo e Caribe, o Brasil até que se sairia muitíssimo bem, para não dizer que ficaria no primeiro lugar do continente, levando em conta as conquistas do vôlei e futebol masculinos, de Alison e Bruno (vôlei de praia), Martine e Kahena (vela), Robson Conceição (boxe), Thiago Braz (salto com vara) e Rafaela Silva (judô).

Contaria com um desempenho melhor que o da Jamaica, por exemplo, ultrapassando Usain Bolt e suas três medalhas douradas; Cuba também não estaria fora da lista, com suas cinco medalhas de ouro conquistadas, e até mesmo o Canadá, país de desenvolvimento quase equiparado ao dos EUA, entraria para o rol de países que ficariam por trás da bandeira verde e amarela.

A opinião também está de acordo com o que pensa o presidente da COB (Comitê Olímpico do Brasil), Carlos Arthur Nuzman, que disse estar muito satisfeito com as vitórias e que o Brasil está com a "sensação de dever cumprido", porque afinal de contas, jogos são feitos de acertos e erros, trazendo a famosa "diversificação de resultados", expressão dita por tantos atletas.

Publicidade

Voltando a falar em nossos vizinhos, é mais que merecido destacar também a grande alavancada dos nossos "hermanos", que conquistaram três medalhas de ouro e uma de prata e obtiveram o melhor desempenho desde Londres 1948. A Argentina quebrou todos os índices de expectativa e melhorou muito, inclusive surpreendeu, porque a expectativa até então era somente superar Londres 2012, época em que conquistaram somente uma medalha dourada.

Fazendo um sucinto resumo, na Rio 2016 o Brasil foi ao pódio com 12 modalidades, sendo que na última foram somente nove e em Pequim 2008, oito. Conquistamos sete medalhas douradas, contra três nos últimos dois ciclos de #Olimpíadas. Como já dizia Carlos Arthur, presidente da COB, jogos e disputas são feitos de vitórias e derrotas e o Brasil surpreendeu muito mais do que decepcionou, principalmente no final dos Jogos, quando ninguém esperava mais nada e de repente tivemos um baque de emoções. Agora é aguardar pelos próximos que, com certeza, quando vierem, estarão cheios de novas conquistas e comemorações! #vaibrasil #Rio2016