A segunda medalha de ouro do Brasil nos Jogos Olímpicos Rio 2016 veio do atletismo, após o brasileiro Thiago Braz derrotar o francês Renaud Lavillenie saltando 6,03. O francês utilizou suas três tentativas para alcançar a marca do brasileiro, mas não conseguiu concluir o salto.

A conquista foi exaustivamente comemorada entre Thiago Braz e a torcida, que incentivou com euforia a vitória brasileira. Thiago Braz, possivelmente, se sentiu pressionado por sua avó, que o ameaçou com tapas na bunda caso não saltasse corretamente.

A esposa de Thiago deu entrevista, visivelmente emocionada, declarando que o dia havia sido preparado por Deus em favor do marido e que nada poderia atrapalhar.

Publicidade
Publicidade

O salto com varas é uma modalidade olímpica desde Atenas, em 1896, e é uma das quatro principais provas do atletismo, juntamente com o salto em altura, salto em distância e salto triplo.

Thiago Braz tem 22 anos, nasceu em Guarulhos e pratica o esporte desde os quatorze anos de idade através do Clube Bancários de Marília, São Paulo, transferindo-se em seguida para a cidade de Bragança Paulista. Meses após, venceu o Campeonato Brasileiro de Menores e o Campeonato Juvenil.

Em 2012, foi campeão juvenil do Campeonato Mundial Júniores de Atletismo, realizado em junho na cidade de Barcelona, Espanha, saltando 5,55 metros, estabelecendo o novo recorde juvenil.

O Brasil, por conta da medalha conquistada, subiu para 16ª posição no ranking com duas medalhas de ouro, três medalhas de prata e quatro medalhas de ouro.

Publicidade

Foi a primeira vez que o Brasil ganha medalha de ouro nesta modalidade, caracterizando a conquista como um marco histórico na modalidade.

Thiago Braz deu entrevista agradecendo a Deus pela oportunidade de ter feito o melhor. Disse ter tido muito apoio e confiança de todos à sua volta e diz ser inexplicável estabelecer seu próprio recorde e o recorde olímpico. 

Thiago mudou-se para Formia, na Itália, para treinar com o Ucraniano Vitaly Petrovm, que já treinou nomes de peso como Yelena Isinabayeva e Sergey Bubka. #Olimpíadas #Rio2016 #Seleção Brasileira