O presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, afirmou nesta quinta-feira, 4, que o Brasil enfrenta uma “crise mental” e que espera nunca mais ter de passar pelo estresse pelo qual está passando durante os jogos olímpicos do Rio de Janeiro. Bach fez as declarações durante uma entrevista coletiva, quando perguntado sobre os problemas enfrentados pelos jogos olímpicos. A declaração do maior dirigente do Comitê Olímpico Internacional revela o nível de insatisfação do COI com o comitê organizador dos jogos no Brasil. Para ele, o País passa pela pior crise de sua história, inclusive crise de saúde e mental, sem especificar de que forma estas crises se manifestam. O dirigente ainda complementou que espera nunca mais passar pelo estresse que está passando em terras tupiniquins. 

As principais críticas do Comitê Olímpico Internacional aos brasileiros se referem ao transporte público, trânsito, poluição da Baía de Guanabara, filas e falta de sinalização visual e decoração nos locais de competição.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o site UOL, o COI e o Comitê Olímpico Brasileiro reconhecem que a organização dos jogos não está dentro do padrão visto em Londres ou Pequim, por exemplo. Isto se deve à falta de um planejamento adequado nos anos que antecederam à competição e à crise financeira que o estado do Rio de Janeiro enfrenta.

Prefeitura tenta minimizar problemas

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, solicitou que os cariocas fiquem em casa nesta sexta-feira (5), para minimizar os problemas relacionados a transporte público e trânsito. Nesta semana o Comitê Olímpico Internacional chegou a se queixar que os atletas estavam se atrasando para seus treinamentos devido ao trânsito caótico na cidade. A prefeitura também decretou feriado na cidade, para diminuir a demanda por transporte e para diminuir a quantidade de carros nas ruas.

Publicidade

Além da cerimônia de abertura das olimpíadas, que acontece às 20h (mas que provocam fechamentos de ruas e avenidas ao longo de todo o dia, por questões de segurança), o Rio de Janeiro recebe ainda neste 5 de agosto a passagem pela tocha olímpica pelas ruas da zona sul e vários protestos contra o presidente interino do Brasil, Michel Temer#Rio2016