A carioca Rafaela Silva entrou para a história dos Jogos Olímpicos e do esporte brasileiro: ela é a primeira a conquistar uma medalha de ouro para o Brasil nas #Olimpíadas do Rio 2016. Nascida e criada na comunidade Cidade de Deus, no Rio de Janeiro, a judoca comemorou a conquista: “a arena chegou a tremer”, disse ela após o título.

No mesmo local, Rafaela Silva foi campeã mundial em 2013 – um feito para poucos atletas, já que são poucas as conquistas brasileiras de mundiais e olimpíadas simultaneamente, ou seja, alguns possuem mundiais, mas não ouros olímpicos, e outros possuem conquistas em jogos, mas não títulos mundiais.

Publicidade
Publicidade

PENSOU EM DESISTIR

Rafaela esteve perto de jogar tudo para o alto há quatro anos. “Eu ia largar o judô, mas minha psicóloga fez um trabalho comigo e não deixou”, disse, relembrando a traumática derrota em Londres 2012, quando aplicou um golpe ilegal e foi eliminada nas oitavas de final. Na época, as críticas foram pesadas: “Depois da minha derrota, muita gente me criticou, disse que eu era uma vergonha para minha família, para meu país. E agora sou campeã olímpica”, disse.

Nos últimos anos, subiu ao pódio na maioria das disputadas que participou e, após a desclassificação em Londres, se recuperou e se tornou campeã mundial e líder no ranking da Federação Internacional de Judô.

CONQUISTA DO OURO

A judoca Rafaela Silva conquistou o ouro após derrotar a mongol Sumiya Dorjsuren na categoria até 57kg.

Publicidade

No início ambas foram punidas por golpes errados, mas Rafaela aplicou um wazari certeiro e administrou a vantagem até o final do tempo. 

A disputa aconteceu na Arena Carioca 2, próximo a Cidade de Deus, onde Rafaela foi criada. Na comunidade, a judoca iniciou os treinamentos aos cinco anos de idade no Instituo Reação, comandado pelo ex-judoca Flávio Canto. O objetivo da família era afastar Rafaela dos problemas das ruas do Rio de Janeiro, como o tráfego de drogas.

EXPECTATIVA

O judo brasileiro ainda pode trazer boas alegrias para o esporte nestas Olimpíadas. Outros nomes do esporte ainda disputam na categoria, mesmo após a derrota de Sarah Menezes e Felipe Kitadai, medalhistas em Londres-12. #medalhadeouro #Rio2016