O futebol brasileiro, especialmente o masculino, não vai bem apenas dentro das quatro linhas. De acordo com reportagem do jornal "O Estado de São Paulo" nesta segunda, o Comitê de Ética da #FIFA vem preparando a suspensão de Marco Polo Del Nero, presidente da Confederação Brasileira de Futebol (#CBF) até o final desse ano.

Segundo uma fonte revelou ao Estadão, as investigações sobre o dirigente continuam em ritmo acelerado e a tendência é de haver uma severa punição. Enquanto isso não acontece, a CBF deixará de receber os US$ 100 milhões (pouco mais de R$ 300 milhões) prometidos como legado da última Copa do Mundo, realizada em 2014 e que teve, como campeã, vencendo a Argentina por 1 a 0 na final, disputada no Maracanã, a Alemanha.

Publicidade
Publicidade

Há mais de um ano, Marco Polo Del Nero foi indiciado pela Justiça dos Estados Unidos por corrupção e lavagem de dinheiro. Desde então, ele não tem viajado para o exterior, a fim de evitar que seja preso. Mesmo assim, permanece à frente da CBF. Nesses casos, o vice Fernando Sarney representa a entidade.

Diferentemente do que seus aliados garantem, Del Nero tem prestígio quase nenhum perante à cúpula da FIFA, na qual o mandatário da CBF também é investigado por conta de um acúmulo de casos e de dificultar a obtenção de acesso aos documentos para esclarecer tais questionamentos.

Outras fontes também revelam ao jornal paulista que, durante a sua passagem pelo Rio para acompanhar os Jogos Olímpicos, Gianni Infantino, presidente da FIFA, ficou bastante incomodado com a tentativa de Del Nero em forçar uma aproximação.

Publicidade

Procurando demonstrar que tinha respaldo, o mandatário brasileiro entregou uma camisa da seleção ao italiano.

Aguardando o futuro, Marco Polo vem cumprindo o seu protocolo naturalmente. No último mês de abril, ele reassumiu a CBF depois de uma licença de três meses. Nessas Olimpíadas, foi visto acompanhando partidas das seleções masculina e feminina. No entanto, para se preservar, tem chegado momentos antes dos inícios das partidas e, logo após os noventa minutos, deixa os estádios rapidamente.

  #Corrupção no futebol