Ontem (15), o francês Renaud Lavillenie, que é recordista mundial do salto com vara, irritou-se com o público brasileiro em sua última tentativa para superar o brasileiro Thiago Braz. Grande favorito, o atleta da França fez uma comparação rigorosa, ele disse que a única vez em que o público protestou contra um atleta que pratica o atletismo aconteceu lá no ano de 1936, quando a Olimpíada aconteceu na Alemanha nazista de Adolf Hitler. Segundo o francês, os brasileiros precisam separar esportes como o futebol das atividades esportivas do atletismo.

“Em 1936, o público estava contra Jesse Owens [atleta e líder civil negro que venceu uma competição olímpica em plena Alemanha Nazista, sob olhares de Hitler], Nós nunca vimos mais isso.

Publicidade
Publicidade

Nós temos que lidar com isso. Não existe fair play do público. Isso é para futebol, não atletismo”, detonou o atleta da França, bastante decepcionado e revoltado com o público que gritava contra ele nas arquibancadas do Engenhão, no Rio de Janeiro.

Ele deu entrevista aos repórteres franceses que o aguardavam, após a sua participação e depois saiu do estádio. Em detalhes, Lavillenie disse que se sentiu muito revoltado com todas as vaias que recebeu do público brasileiro quando ele se preparava para saltar. No entanto, o atleta contou que se sentiu um pouco sem sorte, principalmente no seu último salto, quando precisava superar os mais de 6 metros que o brasileiro havia conseguido.

“O sarrafo caiu do nada a 6m03”, explicou o atleta da França. No final da entrevista, ele contou que, na próxima Olimpíada, estará de volta para conquistar o que perdeu aqui no Brasil, a medalha de ouro: “Mas eu voltarei para ganhar o ouro novamente”, concluiu o recordista mundial.

Publicidade

Enquanto o atleta francês reclamava da torcida brasileira em pleno Engenhão, o medalhista de ouro e agora recordista olímpico, Thiago Braz, comemorava muito feliz ao lado de sua esposa e com o público bastante emocionado em ver um esportista, de apenas 22 anos, conseguir conquistar um feito histórico, para ele e principalmente para o Brasil, que levou a sua segunda medalha de ouro nesses Jogos Olímpicos Rio 2016. #Rio2016