Desde que começaram as competições de natação das Olimpíadas Rio 2016, o nadador #Michael Phelps tem chamado muita atenção dos telespectadores, não somente pelo grande campeão na natação que é, mas pelas marcas vermelhas circulares que aparecem na região do peito, ombros e costas. Muita especulação já rolou nas redes sociais pelos internautas a respeito do assunto: desde que seria fruto de noitadas na vila olímpica, tatuagens, machucados, que ele dormiria em cima das medalhas já conquistadas, incluíram até ataque de "polvo gigante" ou mesmo disputa de paintball, mas a grande verdade é que as manchas vermelhas tratam-se de um tratamento medicinal usado por grandes atletas e competidores. 

Os círculos vermelhos no corpo do campeão fazem parte de uma forma de acupuntura, conhecida como ventosaterapia, que é uma forma milenar da medicina alternativa, onde são usadas ventosas para estimular a circulação sanguínea no corpo. 

Na técnica de ventosaterapia, são acesas velas, dentro de copos redondos de vidro, e colocados junto ao corpo do paciente.

Publicidade
Publicidade

Quando a vela se apaga, forma-se um vácuo parcial dentro do copo, e a diferença de pressão que existe no interior e no exterior gera uma forma de sucção no local que estimula a circulação do sangue. Essa sucção acaba por deixar as manchas vermelhas no corpo do paciente, mas somem após três ou quatro dias de sua realização.

Essa técnica é muito utilizada por grandes atletas como Michael Phelps, com o objetivo de diminuir as dores e cansaço, e acelerar a recuperação da fadiga resultante de treinos e competições constantes. Além dessa técnica, os esportistas utilizam outras formas para se recuperarem mais rapidamente, como massagens, saunas, compressas e banhos de gelo.  

O ginasta dos Estados Unidos, Alex Naddour, disse ao jornal USA Today que a ventosaterapia é a melhor técnica que já usou, sendo o melhor dinheiro gasto em técnicas de recuperação, e que esse é o grande segredo que o mesmo guardou durante todo esse ano e que utiliza para ficar mais saudável.  #Curiosidades #Rio2016