Neste sábado, 13, aconteceu mais um momento histórico na Olimpíada do Rio de Janeiro. O atleta Mo Farah ganhou o bicampeonato olímpico. No entanto, mais do que a segunda medalha de ouro seguida do esportista nos 10 mil metros, o que chamou a atenção foi a forma como tudo aconteceu. O britânico acabou levantando a torcida do Engenhão, que vibrou como se Farah fosse brasileiro. Isso porque além da simpatia do atleta, ele acabou levando um grande tombo durante a prova. O peso do corredor, no entanto, foi provado quando ele ainda conseguiu ultrapassar seu maior adversário Paul Kipngetich (27m05s64) e o etíope Tamirat Tola (27m06s26). O atleta da Inglaterra fechou a prova com 27m05s17.

Publicidade
Publicidade

Ou seja, ele ficou à frente do segundo colocado por apenas meio segundo e do terceiro por ponto mais de um segundo. 

Mo Farah ainda continuará na briga por mais um ouro olímpico, ganhando o segundo campeonato seguido também nos 5 mil metros. Ele é favorito também nessa prova e depois da queda tudo pode acontecer. O britânico fez o resto da prova dos 10 mil metros mancando, chegando à linha de chegada emocionado. Antes de levar o tombo, Farah chegou a fazer um sinal com a mão simbolizando o tempo, mostrando que ele queria chegar ali naquele ponto novamente o mais rápido possível. Após terminar a prova, o corredor beijou a pista que deu mais um ouro olímpico.

Papel dos esportistas do Brasil nos jogos

Infelizmente, os atletas brasileiros não tem ido muito bem nos jogos.No #Atletismo, não foi diferente.

Publicidade

Na maioria das provas, os conterrâneos dos jogos sequer avançavam nas eliminatórias, quando muito chegavam às semifinais.  As chances de medalhas na maioria dos esportes acabam indo ralo abaixo. Até o momento, a campanha do Brasil é pior até mesmo que a de Londres, na Inglaterra. Muito por conta de grandes nomes do Judô que não avançaram. A única "surpresa" até agora foi uma prata de Felipe Wu, que disputou pelo tiro de pistola de ar. Todas as quatro medalhas até agora do Brasil partiram de atletas militares.  #Rio2016