O Brasil conquistou sua primeira medalha de ouro nas Olimpíadas do Rio com uma carioca. Rafaela Silva, que nasceu na favela e iniciou a vida de lutadora em projetos sociais venceu na categoria leve, até 57kg, no judô. Para o feito, ela desbancou a atual campeã mundial, Sumiya Dorjsuren.

Em entrevista ao portal UOL, Rafaela contou que se esforçou muito depois que participou das #Olimpíadas em Londres, pois não havia conquistado medalhas e muitas pessoas a criticaram por isso. A atleta foi ridicularizada por torcedores na época, que disseram que ela era uma vergonha para o país e para sua família. Mas o passado ficou para trás e a Judoca, agora, é uma vencedora com medalha de ouro olímpica.

Publicidade
Publicidade

Rafaela comentou que, em 2012, sua autoconfiança estava abalada pelo sentimento de que não iria conseguir, mas que agora, com a competição sendo no Brasil, ela treinou e acreditou na vitória. Se sentiu muito entusiasmada com o apoio da torcida no ginásio e conseguiu agradar os torcedores com a vitória.

Para o treinador da seleção brasileira, Mário Tsutsui, a luta mais complicada para a brasileira foi a que aconteceu na semifinal, onde o confronto foi com uma atleta romena. Segundo ele quando Fernanda venceu esse embate e viu que as finais seriam contra a mongol, eles viram a possibilidade de vencer e levar o primeiro lugar.

História de vida da atleta

Rafaela Silva é a primeira judoca brasileira a conquistar um ouro olímpico e um título mundial, conquistado em 2013. Começou a treinar com apenas cinco anos de idade em um projeto social na favela Cidade de Deus.

Publicidade

O esforço da atleta começou a dar resultados em 2008, quando venceu o mundial sub-20. No ano seguinte, conseguiu ser a melhor competidora do Brasil no torneio mundial realizado em Roterdã e terminou a competição com a quinta colocação. Nas Olimpíadas de 2012, ela abandonou o esporte após ser eliminada da competição por dar um golpe ilegal na concorrente. O fato gerou críticas racistas na internet, caso esse que a desmotivou de continuar.

Contudo, sua família não deixou de lutar e, com a ajuda de psicólogos, conseguiu reverter a situação da atleta que mudou de ideia e voltou para o tatame. Em 2013, a recompensa chegou com o título mundial e, agora, a campeã se torna o primeiro ouro do Brasil, na Rio 2016. #judô #Rio2016