Os quatro atletas americanos que se disseram vítimas de assalto no Rio de Janeiro no domingo mentiram sobre o roubo. Esta é a conclusão da polícia civil carioca, após uma extensa investigação que quase se transformou em um incidente diplomático internacional e que está sendo acompanhada por jornais de todo o mundo. Os policias tiveram acesso a câmeras de vigilância de um posto de gasolina que mostram os medalhistas olímpicos quebrando o banheiro do estabelecimento (não é possível dizer se foi propositalmente ou não) e tentando sair do local sem pagar os prejuízos. Neste momento, são interpelados por um segurança do estabelecimento e obrigados a pagar os prejuízos.

Publicidade
Publicidade

O jornal britânico Daily Mail diz que dois dos quatro atletas já admitiram que a versão original foi inventada por eles. 

Assista:

Ato I - domingo (14)

O caso seria apenas mais uma "aventura" infeliz de jovens brancos americanos de classe média-alta se o quarteto não tivesse decidido constranger o Brasil ao inventar que tinham sido roubados por policiais brasileiros. Ryan Lochte, James Feigen, Jack Conger e Gunnar Bentz inventaram diferentes versões para o suposto assalto realizado no domingo. A mãe de Ryan Lochte disse à imprensa, no domingo, que seu filho e os colegas estavam em um táxi quando foram abordados por homens armados que roubaram suas carteiras. A história, cheia de furos, chegou a ser negada pelo Comitê Olímpico Internacional, após ouvir os depoimentos dos atletas.

Publicidade

O próprio Ryan Lochte disse, pouco depois, que eles foram roubados por homens que apresentaram distintivos policiais, e que um dos falsos-policiais chegou a encostar a arma na sua testa. O Comitê Olímpico Internacional então passou a avalizar esta versão.

Ato II - terça (16)

Ryan Lochte sai do Brasil e desembarca nos Estados Unidos, e diz à imprensa americana que não contou o fato ao Comitê Olímpico Americano por temer algum tipo de punição administrativa. Polícia fala pela primeira vez que a história está "mal contada".

Ato III - quarta (17)

Justiça brasileira determina a apreensão dos passaportes dos atletas. Jack Conger e Gunnar Bentz não são encontrados na vila olímpica e, à noite, tentam embarcar para os EUA. A Polícia Federal entra no avião e retira os atletas em uma ação considerada dramática pela imprensa internacional. Nos EUA, Ryan Lochte muda sua versão e diz que foram roubados em um posto de gasolina e que a arma foi apontada para ele, e não colocada em sua testa como dito anteriormente. 

Ato IV - quinta (18)

Polícia Civil do Rio de Janeiro divulga vídeo que mostra os atletas em uma confusão em um posto de gasolina, e conclui que os atletas incorreram em falsa comunicação de crime.  #Rio2016