Após conquistar medalha de ouro nos Jogos Olímpicos do Rio, Rafaela Silva vem recebendo as mais variadas parabenizações pelo seu grande feito. Inclusive, alguns setores oportunistas estão utilizando a conquista da atleta como "argumento" contra programas sociais, cotas e demais problematizações referentes às disparidades sociais do país. Contudo, além de Rafaela ser oriunda de um projeto social no qual ela aprendeu o Judô, após ter sido matriculada pelos pais aos 8 anos de idade, a atleta foi alvo de comentários racistas após ter sido eliminada nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, em derrota para a húngara Hedvig Karakas, nas oitavas de final.

Publicidade
Publicidade

Tendo sido chamada de "macaca" e que "não deveria sair da jaula", Rafaela entrou em reclusão. Seu técnico, Geraldo Bernardes, afirmou: "A Rafaela estava tão traumatizada que ela não queria nem almoçar fora com medo que alguém a chamasse de macaca ou outro nome pejorativo. Isso aqui foi uma superação da Rafaela". A atleta contou com a ajuda da psicóloga Nell Salgado, que trabalhava no projeto no qual Rafaela começou a lutar durante a infância: "Trabalho com ela desde que ela perdeu na Olimpíada de Londres. Ela queria parar depois disso. Eu fazia trabalho no projeto do Flávio Canto com a Raquel, que gostou do meu trabalho e me indicou para a Rafa. Ficamos o tempo o tempo juntas neste ciclo olímpico".

Graças ao apoio dos familiares e da psicóloga, Rafaela decidiu não desistir, e, após obter nova vitórias (como a sagração como campeã de sua categoria no Mundial de Judô em 2013), conquistou a primeira medalha de #ouro brasileira nos Jogos do Rio, ao derrotar a judoca Sumiya Dorjsuren, da Mongólia, que inclusive é a atual líder mundial do ranking da categoria.

Publicidade

O caso de Rafaela Silva, além de uma superação pessoal, demonstra a importância de projetos que levem educação, esporte e lazer às favelas. Mas também simboliza que determinados grupos sociais, ao mesmo tempo que se recusam a discutir o racismo que ainda predomina neste país (e que geralmente é reproduzido por estes mesmos grupos), chegam ao cúmulo de tentar utilizar a vitória de uma atleta oriunda da favela que contou com o auxílio de um projeto social como "justificativa" para serem contrários aos projetos sociais e a discutirmos a desigualdade social no país. #Olimpíadas #rafaelasilva