Foi histórico, foi valente, foi dourado. Robson Conceição não deu brecha para o azar e marcou eternamente seu nome no hall da fama dos grandes campões olímpicos brasileiros. Mais do que isso: o baiano de Salvador levou o Brasil a um primeiro lugar inédito do boxe no pódio dos #Jogos Olímpicos. Com a vitória contra o francês Sofiane Oumiha por decisão unânime de 3 a 0 (30-27, 29-28 e 29-28) na noite desta terça-feira, dia 16, o lutador se tornou o primeiro brasileiro a alcançar tal feito. O ouro veio na categoria de peso-ligeiro, até 60kg, onde Robson figura na segunda posição do ranking mundial.

Participando de sua terceira Olimpíada, Robson teve a maturidade para trilhar seu caminho até o ouro.

Publicidade
Publicidade

O apoio da torcida presente no Riocentro também contou, e o baiano teve a técnica necessária para derrotar o adversário e garantir a inédita conquista. A trajetória mostra o amadurecimento de Robson, que havia participado das #Olimpíadas de Pequim em 2008 e de Londres em 2012 sem passar da primeira luta.

“Estou vivendo um sonho, agradeço ao povo brasileiro pelo apoio”, disse o emocionado boxeador. “Tive uma infância humilde, mas graças a Deus nunca me faltou o pão de cada dia”, completou, lembrando de seu passado no bairro de Boa Vista de São Caetano, na capital baiana.

 

O embate

Animada pela possibilidade de ouro, a torcida brasileira não economizou nos gritos em apoio ao brasileiro. Apesar dos cânticos, foi Oumiha quem tomou a iniciativa, aplicando golpes. A estratégia não surgiu efeito, e Robson teve calma para não entrar no jogo do francês e revidar com cruzados e um direto certeiro.

Publicidade

Oumiha persistiu tentando furar a guarda de Robson, que chegou a ter um antigo ferimento no olho novamente aberto pelos golpes do francês.

Com o fim do primeiro assalto, Robson voltou mais ativo para a segunda etapa. Encaixou jabs e passou a partir para cima do adversário. Quando Oumiha tentava contra-atacar era novamente atingido pelos golpes de Robson, que fazia uma ótima luta. O francês chegou a cair com um dos golpes do brasileiro, mas levantou logo em seguida.

Com os minutos finais se aproximando, coube a Robson administrar a clara vantagem alcançada até ali. Oumiha ainda tentou algumas investidas, mas nada que preocupasse a torcida brasileira. Quando o sinal soou, a alegria foi completa. Robson marcava eternamente seu nome na história dos principais atletas brasileiros.

 

A trajetória de Robson Conceição

Além da histórica medalha, o ouro significou a redenção do jovem de infância tumultuada, ex-feirante da periferia baiana que largou os estudos para se dedicar ao esporte. Criado pela mãe e pela avó, o atleta percorria até 9km a pé para conseguir treinar.

Publicidade

Sem incentivo financeiro e precisando ajudar a família, acordava cedo para trabalhar na feira, seguia para escola e treinava no período noturno. Uma rotina cheia de desafios e percalços, mas que foi recompensada nestas Olimpíadas.

Além de feirante, Robson também trabalhou em diversos bicos. Após muita luta e treinos, passou a integrar a seleção brasileira de boxe e viver em Santo André, em São Paulo. Em 2011, se casou com a também atleta Erika, a primeira boxeadora mulher a participar de uma Olimpíada, em Londres 2012. O casal tem uma filha, Sophia.

Para chegar até o primeiro lugar, Robson também passou por uma dura provação. Espantou o azar de estreias batendo Anvar Yunusov, do Tajiquistão. Na rodada seguinte, derrotou Urshid Tojibaev, do Uzbequistão, e conquistou a vaga para a semifinal. Ali veio aquele que foi talvez seu desafio mais difícil, na luta contra o rival Lazaro Alvarez, de Cuba. Primeiro do ranking mundial, Alvarez já havia vencido Robson uma vez e sido derrota em outra oportunidade. Dessa vez, Robson não deu chances e derrotou o adversário por 3 a 0. A final estava garantida e o ouro começava a brilhar mais forte. Contra Oumiha, o brasileiro mostrou sua incrível técnica mais uma vez e alcançou o lugar mais alto do pódio. #Rio2016