Pode parecer pegadinha, mas não é. A diretoria do Santos, e principalmente o presidente do Peixe, Modesto Roma, estão convencidos de que é possível mandar as partidas do clube santista no Brasileirão na sede do rival #Palmeiras, o Allianz Parque.

Com esse objetivo já estão em curso desde a última segunda-feira (22), negociações com com a WTorre, construtora do estádio da equipe alviverde, para que a partida, inicialmente marcada para o dia 18 de setembro, seja realizada na arena palmeirense.

As tratativas visando utilizar nesse sentido foram colocadas em prática após uma reunião do presidente Modesto Roma com o Conselho Deliberativo do #Santos na segunda-feira passada.

Publicidade
Publicidade

O dirigente santista informou que tem reunião na sexta-feira (26) com representantes da empresa WTorre para conversar sobre o assunto, mas já adiantou que a ideia foi bem aceita pela empreiteira.

O presidente do Santos admitiu que poderia mandar o jogo do dia 18 de setembro no Pacaembu ou no Morumbi, mas a prioridade é o Allianz Parque. Modesto afirmou que conversou com o presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, sobre essa proposta e o dirigente palmeirense não se opôs. 

O mandatário do Peixe está confiante que a torcida do Santos aceitará bem a ideia, pois não houve nenhuma rejeição quando o time da Vila Belmiro jogou no Morumbi. Modesto considera como sendo uma bobagem a possibilidade do torcedor não aceitar jogar no estádio do rival. 

A proposta inovadora do presidente do Santos esbarra em alguns dados que certamente as forças de Segurança de São Paulo têm de sobra.

Publicidade

Tanto é verdade que a Poder Judiciário na Capital paulista decretou a realização de clássicos apenas com torcida única por conta dos inúmeros registros de violência. 

Diante disso seria ingênuo acreditar que integrantes de torcidas organizadas, os mesmos de sempre, presentes ao estádio de um de seus principais rivais não promoveriam uma quebradeira de cadeiras, banheiros, painéis ou qualquer  outro material que pudessem danificar.

A segurança teria que ser reforçada dentro e fora do estádio, pois quem garante que grupos de torcedores não estariam esperando os santistas do lado de fora após a partida? Mas tomara que esse otimismo do presidente do Santos se confirme, embora contrarie frontalmente os dados das dos representantes da Segurança Pública.  #Campeonato Brasileiro