Ainda distante de estar entre as principais forças mundiais da modalidade, a seleção brasileira de polo aquático tem utilizado a torcida como energia para conseguir bons resultados nos Jogos Olímpicos #Rio2016. Até agora, com duas rodadas de competição, o time conseguiu vencer suas duas partidas, muito graças ao empurrão dos torcedores, que têm levado para as #Olimpíadas o clima dos jogos de futebol.

Para os jogadores, a participação da torcida tem sido surpreendente. Segundo o craque do time, Felipe Perrone, que participa de sua terceira olimpíada após defender a seleção espanhola nos Jogos de 2008 e 2012, não é costume haver uma torcida tão participativa.

Publicidade
Publicidade

O atleta exalta o jeito mais entusiasmado das arquibancadas como algo característico dos brasileiros, que não se comportam passivamente como o "espectador de uma peça de teatro".

O técnico do time, Ratko Rudic, concorda com Perrone ao afirma que a reação dos torcedores é algo bastante incomum na modalidade. Para o croata, isso acaba sendo um incentivo a mais para a equipe, que se motiva e ganha uma força maior contra os adversários.