Maior medalhista da história das Olímpiadas modernas e antigas, atleta a ganhar o maior número de medalhas em uma só Olimpíada, maior medalhista olímpico por equipes, nadador mais velho a ganhar uma medalha olímpica de ouro em provas individuais de natação, responsável por quebrar mais de trinta recordes mundiais. Não há outra maneira de definir o nadador norte-americano Michael Phelps: ele é uma lenda.

Disputando atualmente sua quarta Olimpíada, Michael Phelps fez história mais uma vez nesta quinta-feira, dia 11, ao vencer a prova dos 200 metros medley pela quarta vez consecutiva, se tornando o primeiro nadador da história a alcançar tal feito.

Publicidade
Publicidade

Ele já havia conseguido o lugar mais alto do pódio na prova nos #Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004; Pequim, em 2008; Londres, em 2012; e agora no Rio de Janeiro, em 2016.

Com a vitória, Phelps conquistou a 26ª medalha olímpica de sua carreira, sendo a 22ª de ouro. O feito deu ainda mais um recorde histórico para o norte-americano. Com sua 13ª medalha de ouro conquistada em provas individuais, Phelps bateu o recorde de 2168 anos de Leônidas de Rodes, se tornando o maior campeão olímpico individual das história dos jogos antigos e modernos.

Antigo detentor da marca por mais de dois milênios, Leônidas de Rodes ostentava o recorde de ter vencido 12 medalhas de ouro olímpicas em provas individuais nos jogos disputados na Grécia antiga durante os anos de 164 e 152 antes de Cristo. Além de ter batido o recorde com suas 13 medalhas individuais, Phelps ostenta ainda mais 9 ouros conquistados em provas coletivas de revezamento.

Publicidade

 

“Consegui fazer tudo que sonhava em fazer”, diz Phelps

Como se não fosse o bastante, Phelps ainda terá a chance de conquistar mais dois ouros no Rio de Janeiro. O nadador disputará os 100 metros borboleta e o revezamento 4x100 metros medley, encerrando sua participação nos Jogos Olímpicos e sua mais do que vitoriosa carreira. “Consegui fazer tudo aquilo que sonhava em fazer”, disse Phelps em entrevista dada após a conquista de sua quarta medalha dourada no Rio. O nadador havia se aposentado após as #Olimpíadas de Londres, em 2012, mas voltou atrás da decisão e retornou para as piscinas em 2014, deixando sua despedida final para o Rio de Janeiro, onde tem mais uma vez alcançado feitos inéditos. “Eu sabia que o processo não seria fácil, que teria que passar por uma dor que talvez eu não quisesse sentir”, comentou Phelps.

Com 31 anos de idade, Phelps também comentou sobre as dificuldades físicas que tem enfrentado, sentindo muito cansaço e dores pelo corpo após provas que exigem tamanho esforço físico.

Publicidade

“Sair da água agora dói mais. Meu corpo não sente como se tivesse 18 anos”, comparou. “Mas gosto do esporte tanto quanto gostava quando tinha 18 anos”.

Com tamanha bagagem no esporte, Phelps também falou sobre as reflexões que tem tido ao saber que tem apenas mais duas provas para competir no esporte antes de se aposentar. “Eu só terei de colocar a roupa mais duas vezes depois de hoje. É estranho saber que há 20 anos aprendi a nadar e agora só tenho mais 48 horas para competir”, contemplou.

Depois de ter batido todos os recordes possíveis e alcançado um impressionante número de medalhas, Phelps se prepara agora para suas duas últimas provas com a obstinação do garoto que deu suas primeiras braçadas em sua cidade de origem, Baltimore, nos EUA. A duas provas do fim, Phelps tem mais uma vez a chance de fazer história. A lenda continua viva, e seus feitos ainda serão rememorados por muitos anos. #Rio2016