Jogar fora de casa já tinha virado sinônimo de pesadelo para a #Seleção Brasileira. Na Era Dunga, não conseguiram conquistar nenhuma vitória. O confronto contra o Chile foi 2 a 0 para os donos da casa. Contra a Argentina conseguimos um empate em 1 a 1. Contra o Paraguai o empate só veio no finalzinho do jogo, com aquele gol milagroso de Daniel Alves. Tudo que a torcida queria saber, era onde estava a seleção brasileira. Aquele time que intimidava qualquer seleção jogando fora ou dentro de casa parecia ter morrido e a esperança de uma possível classificação para a Copa de 2018 já estava morrendo. O técnico Dunga não conseguiu dar ritmo ao time, e, com isso, foram duas Copa América jogadas no lixo.

Publicidade
Publicidade

Com a eliminação da última, veio a notícia, Dunga finalmente fora demitido e, para a alegria da nação, veio #Tite com a grande missão de salvar a seleção do possível risco de ficar de fora da primeira copa.

Tite então assumiu a seleção com a difícil missão de conseguir a vaga para a Copa do Mundo de 2018. A situação na tabela não era das melhores, o time ocupava a sexta posição com nove pontos, era sinal de que Adenor teria muito trabalho. Porém, antes das eliminatórias, o Brasil ainda tinha uma difícil missão, conquistar o Ouro inédito nas olimpíadas do Rio. Na ocasião, a seleção era comandada por Micalli, e com um estilo de jogo ofensivo, o inédito ouro veio em uma final emocionante contra a Alemanha. 

Agora, era focar somente nas eliminatórias. Com Tite no comando, veio a primeira convocação, recheada com algumas surpresas como a volta de Paulinho, Marcelo e a oportunidade para G.

Publicidade

Jesus, Weverton e Rodrigo Caio na equipe principal. Diante da primeira convocação, surgiram as primeira críticas, todas em cima da convocação de Paulinho, que tinha sido o grande fiasco no 7 a 1. Sem se importar muito com as críticas, Adenor seguiu com seu time montado. Seu jogo de estreia era contra um grande carrasco da seleção, o Equador, que a canarinha não vencia há 30 anos. 

A seleção começou um primeiro tempo apático, sofrendo alguns sustos, mas sempre com o jeito Tite de jogar, sempre ocupando espaços. O primeiro tempo seguiu sem muitas novidades, o Brasil não jogou tão bem, mas conseguiu se segurar na altitude. Veio então o segundo tempo e as coisas pareciam ter mudado. A seleção atacou mais e as chances de gol começaram a surgir. Em lançamento em profundidades, Gabriel Jesus ganha do zagueiro e sofre pênalti, #Neymar bate e abre o placar. A seleção seguiu com o mesmo estilo de jogo, sempre buscando o contra ataque, e, em mais uma jogada de Neymar tabelando com Marcelo, Gabriel Jesus recebe e marca o dele, 2 a 0. Com o jogo dominado no finalzinho, a seleção só administrou a partida, mas, antes do fim do jogo, Gabriel faz mais uma pintura, 3 a 0. E assim foi  a grande estreia de Tite.