Na noite desta sexta, por conta da Bienal do Livro no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo, houve o lançamento da obra "Da rebelião à glória: o #Fluminense e a conquista da Primeira Liga”, de Rodrigo Barros, que conta a trajetória do Tricolor das Laranjeiras até ficar com o título da competição realizada no primeiro semestre de 2016. Vários torcedores da equipe carioca, residente na capital paulista, prestigiaram o evento e levaram algumas edições.

Por intermédio de seu twitter, o autor do livro tranquilizou os tricolores do Rio. De acordo com a postagem do escritor na rede social, brevemente, o evento também será realizado na Cidade Maravilhosa, em local a ser definido. 

Dispostos a promover uma mudança no futebol nacional, principalmente após os inúmeros escândalos na Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que culminaram com a prisão de José Maria Marín, na época, presidente da entidade, alguns dos grandes clubes se reuniram para fundar a Primeira Liga e, mesmo com a revelia de algumas federações, especialmente a do Rio de Janeiro, organizaram um torneio de caráter amistoso.

Publicidade
Publicidade

Baseado no ranking da CBF, dos 16 fundadores, foram escolhidos 12 participantes, divididos em três grupos de quatro. No Grupo A, o Fluminense estreou no dia 28 de janeiro, Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, mas acabou sendo surpreendido pelo Atlético-PR com uma derrota de 1 a 0. A reabilitação veio em grande estilo. Em 17 de fevereiro, na sua única boa apresentação nessa curta passagem pelo Tricolor, Diego Souza, que, pouco tempo depois, retornaria para o Sport, marcou três vezes e ajudou a equipe das Laranjeiras, em pleno Mineirão, derrotar o Cruzeiro por 4 a 3. No dia 11 de março, o Flu assegurou a classificação para a próxima fase da Primeira Liga no Mário Helênio, em Juiz de Fora, vencendo o Criciúma pelo placar de 2 a 0.

Nas semifinais, o Fluminense enfrentaria o Internacional.

Publicidade

No dia 23 de março, os rivais foram ao Mané Garrincha, em Brasília e, depois de um empate de 2 a 2 no tempo normal, o Tricolor garantiu a presença na decisão ao vencer, nos pênaltis, por 3 a 2.

Na noite de 20 abril, em um Mário Helênio com quase 30 mil pessoas, 98% de torcedores ao seu favor, o Fluminense se vingou do tropeço na primeira fase e, com um gol de Marcos Júnior, aos 36 minutos do segundo tempo, bateu o Atlético-PR por 1 a 0, assegurando a taça da Primeira Liga, que será novamente realizada na próxima temporada, dessa vez reconhecida pela CBF. #Copa da Primeira Liga #PaixãoPorFutebol