Adriano “Imperador” está sem clube desde maio, quando se desligou do Miami United, dos Estados Unidos, onde disputou duas partidas e marcou um gol. Desde então, o jogador voltou a ter a vida que levava no Rio de Janeiro.

Nascido na favela #Vila Cruzeiro, na zona norte da Cidade Maravilhosa, Didico, como Adriano é chamado pelos amigos de infância, nunca deixou o lugar onde nasceu.

No último domingo (4), um usuário do Facebook postou uma foto de Adriano, sentado na calçada de uma rua ao lado de outras pessoas, mexendo no celular e com os pés descalços.

Postagem

O usuário Charles Nascimento publicou a foto às 14h32 do domingo, na rede social Facebook, acompanhada de um texto.

Publicidade
Publicidade

“O dinheiro e só um papel que o homem deu valor”, postou Nascimento.

“Milionário, humilde, celular simples e descalço na Favela onde nasceu e você ae tirando onda de bacana sem ser”, concluiu o usuário. Vinte e quatro horas depois de a publicação ter sido feita, a imagem já havia viralizado.

Foram mais de três mil curtidas, quase 500 compartilhamentos e mais de 150 comentários. “Claramente vemos uma pessoa que não soube aproveitar a oportunidade. Pra ser jogador tem que ter disciplina. Não foi o caso dele”, postou um usuário do Facebook.

“Que decadência Adriano... Tenho pena cara!! Torço por melhoras brow vc era bom jogador”, escreveu outro. Houve quem defendesse o jogador. “Imperador monstro, vc sai da favela , mais a favela não sai de você”, publico outro usuário.

Alguns comentavam sobre a situação financeira do “Imperador”, dizendo que ele está falido.

Publicidade

“Quem disse que ele está pobre? Kkkkk pobre to eu”, brincou uma usuária. “Besta é quem acha que ele ta pobre”, provocou outro.

Adriano

É quase um consenso entre quem acompanha futebol que Adriano poderia ter ido muito mais longe do que foi. Na reformulação pela qual a seleção brasileira passou após o fiasco na Copa do Mundo de 2006, o “Imperador”, que estava naquele elenco dirigido por Carlos Alberto Parreira na Alemanha, poderia ter sido um dos principais nomes da seleção de Dunga.

Apelidado de “Imperador” quando jogava na Itália, Didido, apelido que ganhou na infância, poderia ter jogado as Copas de 2010, na África do Sul, e, muito provavelmente, a do Brasil, em 2014.

O centroavante reserva da seleção de Felipão há dois anos era o bastante contestado Jô – praticamente uma das poucas opções disponíveis. Fred, o titular, não vivia bom momento técnico e, principalmente, físico. Tudo isso entra no campo do “se”. #Adriano imperador #Viral