O jogo parecia dos mais interessantes, por reunir os atuais campeões mineiro e gaúcho. Mas a partida, em um Estádio do Independência vazio e em que a bola foi bastante maltratada, dava mostras de que ali se confrontavam duas das piores equipes do Brasileirão. E quem se deu mal foi o Internacional, que perdeu para o América por 1 a 0, desperdiçando a chance de sair da zona de rebaixamento para a Série B do ano que vem.

O gol do América foi marcado aos 45 minutos do segundo tempo pelo atacante Michael, que saiu do banco de reserva para mudar a história de um jogo que tinha tudo para terminar 0 a 0. No lance, Jonas apareceu pela direita e cruzou.

Publicidade
Publicidade

Michael se antecipou no primeiro poste e cabeceou de maneira esquisita. No entanto, a bola subiu além do alcance do goleiro Danilo Fernandes e foi morrer dentro do gol colorado. Foi um prêmio ao time que, embora na lanterna da competição, buscou mais o resultado. Foram 21 finalizações do Coelho (contra 9 do Inter), sendo quatro de Hernandes. Uma delas inclusive bateu contra o travessão, minutos antes do gol solitário da partida, assustando os gaúchos.

“Para nós, foi uma vitória extremamente importante, mas infelizmente ainda aquém do que a gente precisa”, disse um esmorecido Enderson Moreira ao final da partida. O técnico assumiu o América no final de julho, depois da demissão do português Sérgio Vieira e da recusa de #Celso Roth em ocupar o cargo. Mesmo com o triunfo, apenas o quarto do América em 26 rodadas, o time mineiro segue na última colocação com 18 pontos e 11 a menos do que o Vitória, o primeiro fora da zona da degola.

Publicidade

O caminho de Celso Roth à frente do Inter também não é dos mais promissores. O treinador, que assumiu em 15 de agosto estreou no Inter, no lugar de Paulo Roberto Falcão, também não conseguiu reverter a queda do Colorado, que vinha de 11 partidas sem vencer até a sua chegada. Desde então foram mais sete partidas e apenas uma vitória, contra o Santos (2 a 1). O aproveitamento do time no segundo turno do Brasileirão é de apenas 23,81%, exatamente o mesmo de América, Santa Cruz e do seu rival regional, o Grêmio, os piores do returno.

“Nós estamos numa ladeira perigosa e o tempo está passando cada vez mais. A gente precisa parar e estancar essa situação o mais rápido possível”, disse Roth, de forma óbvia. Para tanto, técnico e equipe terão de se superar. Pois, para complicar ainda mais o futuro do Colorado, seu próximo adversário é o Atlético-MG, uma das equipes mais fortes do Brasileirão. E pior, fora de casa, no mesmo Independência #Internacional #América-MG