Na segunda, às 20h (de Brasília), o #Fluminense enfrentará o Atlético-MG no Giulite Coutinho, em Édson Passos, região metropolitana do Rio de Janeiro, no encerramento da 24ª rodada do #Campeonato Brasileiro. Será o reencontro de Fred, atual camisa 99 do Galo, com o Tricolor, clube o qual defendeu por sete temporadas, conquistando dois títulos brasileiros e um Carioca, tornando-se, para muitos, o grande ídolo da história recente da agremiação carioca. No entanto, o nome do centroavante é evitado nas Laranjeiras. Segundo os tricolores, a preocupação com o Galo é com o todo.

"O Atlético é um time muito forte, tem um elenco forte.

Publicidade
Publicidade

O Fred tem uma história grande no clube e respeitamos isso. Desejamos felicidades, menos na segunda-feira", declarou em entrevista coletiva após o treino de quinta, o goleiro Júlio César, que, com a lesão de Diego Cavalieri (estiramento muscular grau 2 na coxa direita), sofrida na derrota de 1 a 0 para o Botafogo na última quarta, será titular por pelo menos um mês.

Em depoimento concedido ao Globoesporte, o zagueiro Henrique seguiu a mesma linha de raciocínio de Júlio César ao ser questionado sobre o reencontro com Fred. Para ele, o Flu tem que usar o fator casa para conseguir mais uma vitória no Brasileirão.

"Nós sabemos da qualidade dele. Mas não só dele, de toda equipe do Atlético-MG. Mas dentro de casa, com o apoio da nossa torcida, temos que pensar só na vitória", resumiu o defensor.

Publicidade

Revelado no América-MG em 2003, Fred acabou se transferindo, no ano seguinte, para o Cruzeiro, onde começou a destacar-se dentro do cenário nacional. No ano de 2005, rumou para o Lyon, na França, permanecendo por lá até 2009, quando veio para o Fluminense. Nas Laranjeiras, viveu um misto de amor e ódio. Simultaneamente aos feitos dentro de campo, marcando 172 gols em 288 jogos, viveu momentos de conflitos com parte da torcida tricolor, que questionava possíveis regalias dadas ao atacante, além de sofrer críticas de membros da diretoria, especialmente durante a atual gestão Peter Siemsen. Em julho de 2016, transferiu-se para o Atlético-MG.

Com 34 pontos, seis a menos em relação ao Corinthians, quarto colocado, o Fluminense necessita vencer para continuar almejando uma vaga no G-4 do Campeonato Brasileiro e, dessa forma, estar na próxima edição da Taça Libertadores da América. #PaixãoPorFutebol