O jogo era de suma importância para o destino das duas equipes: Fluminense e #Atlético Mineiro. Se o Tricolor das Laranjeiras vencesse, entrava em definitivo na briga pelo G-4. Se o Galo vencesse, encostaria em Palmeiras e Flamengo na luta pelo título brasileiro que não conquista há 45 anos.

E foi um jogão movimentadíssimo. Seis gols e um segundo tempo espetacular do #Fluminense e principalmente de Magno Alves, Scarpa, Wellington e Marquinho.

O jogo marcou o encontro da torcida tricolor com o ídolo Fred, que jogou por sete anos e meio no clube e é o terceiro maior artilheiro da história do Tricolor carioca.

O Fluminense entrou com uma escalação diferente em relação à da derrota para o Botafogo.

Publicidade
Publicidade

Desta vez com a linha ofensiva composta por Scarpa, Wellington, Danilinho e Marco Jr atuando como um falso nove. E a escalação não deu certo. Não que o Fluminense tivesse jogado mal, mas concluía pouco. Para completar, o Atlético que não jogava bem, achou um gol. Após falta em Marco Jr, Robinho recebeu a bola e inaugurou o marcador.

O Fluminense voltou para o segundo tempo com Magno Alves no lugar do apagado Danilinho. E a substituição logo surtiu efeito. Magno recebeu um belo lançamento de Scarpa e cruzou para o volante Douglas empatar.

O Atlético sem Fred

Levir mexeu na equipe de novo. De uma vez só tirou Marco Jr e Wellington e colocou Marquinho e Maranhão. E o time melhorou ainda mais seu jogo. E logo Marquinho faria o gol da virada em passe de Magno Alves.

Fluminense não mudou sua postura.

Publicidade

Com uma marcação muito forte e adiantada, e muita intensidade e velocidade nos ataques chegou ao terceiro gol, após Victor sair uma bola de forma errada e entregar nos pés do Magno Alves, que recebeu falta na entrada da área. Gustavo Scarpa bateria a falta com perfeição no ângulo ampliando o marcador.

O Atlético diminuiu um pouco depois dos quarenta, com cruzamento de Robinho para Otero marcar.

Mas, a noite era do Fluminense. Logo em seguida, Magno Alves roubou uma bola e deu uma assistência açucarada para Maranhão. Este rompeu a área, tocou debaixo das pernas do goleiro Victor e fechou o placar em 4x2 para o Fluminense.

E Levir exaltou muito o espírito da equipe e da torcida tricolor no estádio em Edson Passos. "Jogar no Giulite Coutinho é muito bom porque deu uma encaixada com o torcedor. O Fluminense costumava jogar no Maracanã com 50 mil pessoas e aqui sentimos calor da torcida. Aqui, apesar de não ser tanta gente quanto no Maracanã, por exemplo, os jogadores se sentem bem. Isso é positivo.

Publicidade

Parabenizo o torcedor por isso. Quinta-feira estaremos aqui novamente e eles podem fazer a diferença".

E arrematou: "Vou confessar uma coisa: Scarpa esteve a ponto de sair do jogo porque errou alguns passes. Mas sei que tem chute decisivo, e isso me segurou. Dei sorte. Queria um time mais rápido. O resultado veio. Esses jogos fazem com que a torcida se aproxime do time. No Brasil jogamos muito com o emocional. Mostrei ao time onde poderíamos chegar com a vitória. Estamos no bolo. Podemos pensar alto".

Levir espera apoio e casa cheia novamente na quinta-feira, 15, no jogo contra a Chapecoense em casa. #Resenha Esportiva