Durante a edição 2016 do Campeonato Paulista, após a vitória do #Palmeiras por 1 a 0 sobre o Corinthians, dia 3 de abril, o centroavante palmeirense Alecsandro, 35 anos, foi flagrado por teste antidoping que constatou a presença de substância proibida em seu organismo. Após o resultado, o atleta acabou suspenso de forma preventiva, inicialmente, por um período de 30 dias.

A matéria identificada nos testes realizados no jogador foi O-Dephenylandarine, metabólito do Andarine, composto modulador de androgênio utilizado no tratamento de lesões musculares, osteoporose e hipertrofia prostática benigna. Em sua defesa, advogados contratados por Alecsandro alegaram que a substância detectada era proveniente de um tratamento para implante capilar realizado pelo jogador em dezembro de 2015.

Publicidade
Publicidade

No início do mês de agosto o Tribunal de Justiça Desportiva, em julgamento realizado na Federação Paulista de Futebol, decidiu pelo afastamento do jogador dos gramados por dois anos.

Mas agora a situação de Alecsandro pode mudar e ele deve voltar a atuar sem restrições pelo Palmeiras. Isto porque, na noite desta terça-feira (6), a WADA (Agência Mundial #Antidoping), com sede em Montreal, no Canadá, inocentou o centroavante com a alegação de que o que houve no caso do jogador foi um "falso doping".

Assim, os representantes do palmeirense aguardam apenas a formalização do veredito do órgão internacional para impetrarem pedido de suspensão da decisão do TJD, permitindo que ele possa voltar aos gramados. Bichara Abidão Neto, advogado contratado pelo atleta, afirmou que a suspensão da pena imputada ao seu cliente deve ser imediata após a WADA protocolar sua decisão final.

Publicidade

Uma nova forma de gerenciar e aplicar testes de doping no país também foi solicitada por Abidão que acredita que, desta forma, punições injustas como a que fora aplicada contra Alecsandro podem ser evitadas. Se a suspensão do atleta palmeirense tivesse de ser cumprida, ele apenas retornaria aos campos em 2018, quando já estará com 37 anos de idade.

A medida imposta o proibiu, inclusive, de participar dos trabalhos com seus companheiros e, por esta razão, Alecsandro vinha fazendo seus treinos de forma individual. Ainda segundo seu advogado, o centroavante está ansioso para voltar a participar do ambiente de treinos do Palmeiras e, claro, ficar à disposição do técnico Cuca para atuar pelo Verdão. #PaixãoPorFutebol