O desempenho do atleta Emanuel nas areias do #Vôlei de praia é surpreendente. Sua carreira na modalidade começou em 1991, mas somente depois de dois anos ele passou a jogar profissionalmente. A partir daí o paranaense de Curitiba foi colecionando pódios atrás de pódios. Como reconhecimento a sua brilhante carreira esportiva, Emanuel Fernando Scheffer Rego entrou para o “Hall da Fama” do vôlei mundial. A edição 2016 da solenidade aconteceu na pequena cidade de Holyoko, Estados Unidos. Outros jogadores foram homenageados, como o sérvio Nikola Grbic e a americana Misty May-Treanor.

Eleito pela Federação Internacional de Voleibol como o Melhor Atleta do Mundo no período entre 2000 e 2010, Emanuel tem uma trajetória invejável como o maior ganhador do Circuito Mundial: total de dez títulos.

Publicidade
Publicidade

Ainda dentro do tema do Circuito Mundial, ele foi o que venceu o maior número de etapas no voleibol de praia: são 155 medalhas, marca impressionante, que ultrapassa outro “monstro” do esporte, o americano Karch Kiraly.

Acrescentem-se também as três medalhas olímpicas (um ouro em Atenas-2004, um bronze em Pequim-2008 e uma prata em Londres- 2012), o tricampeonato mundial do vôlei de praia e as três medalhas de ouro nos Jogos Pan-americanos. Ele competiu com vários parceiros nas quadras de areia, entre eles Tande, Alison, Zé Marco, Aloísio e Pedro Solberg. Entretanto, foi com Ricardo a parceria mais extensa e bem-sucedida.

Durante o evento Emanuel disse que “o vôlei de praia tem uma legião de fãs espalhados ao redor do mundo. Este esporte foi sempre como um membro da minha família, como alguém que eu tenho uma relação única.

Publicidade

Estou sem palavras para descrever o que estou sentindo hoje. O vôlei de praia foi uma paixão que se transformou em amor e está no meu sangue”.

Emanuel é o 13º jogador brasileiro a entrar para o “Hall da Fama do Voleibol”, e se junta a outros grandes esportistas como Ana Moser, Nalbert, Maurício, Sandra Pires, Shelda, Fofão, Bebeto de Freitas e Bernard. A indicação de Emanuel teve como origem os votos dos já homenageados, acarretando uma aura mais autêntica à premiação.

Inventores do esporte, os Estados Unidos criaram o “Hall da Fama” em 1985 e apenas em 1998 é que passou a incluir e reconhecer jogadores estrangeiros de voleibol. Até a presente edição 125 profissionais (entre atletas, técnicos e dirigentes) têm seus nomes escritos na seleta lista. A notícia mais do que boa reside no fato de que o Brasil é o segundo país com mais componentes, empatado com a Rússia. #Brasil #Famosos