O Corinthians anunciou, oficialmente, na tarde desta sexta-feira (14), o nome do seu novo treinador: será o velho e já conhecido #Oswaldo de Oliveira, que já tem duas passagens pelo Timão, registrando um aproveitamento de 58%, com 112 jogos, 58 vitórias, 21 empates e 33 derrotas. O técnico chega ao Parque São Jorge depois de uma série de trabalhos contestados, sendo o último no Sport, equipe que comandou até o último sábado (8), no empate em 1 a 1 com o São Paulo, na Ilha do Retiro. Ali, em 34 jogos conseguiu um pífio rendimento de apenas 35% (9 vitórias, 9 empates e 16 derrotas), deixando o rubro-negro pernambucano na 16ª colocação, apenas uma acima da zona do rebaixamento do Campeonato Brasileiro.

Publicidade
Publicidade

“No Corinthians eu não tenho desafio, tenho prazer. Estou aqui de corpo e alma, emocionado, voltando a esta casa”, disse Oswaldo na entrevista coletiva na qual foi apresentado à imprensa. Ciente de que não é o nome preferido dos corintianos para este momento, cuja contratação representa um racha entre torcida e diretoria, o treinado preferiu destacar um passado longínquo, remetendo às conquistas obtidas quando começou sua trajetória de treinador no Timão, substituindo a Evaristo de Macedo. “Em todos os lugares pelos quais passei, sempre encontrei corintianos e o que recebo é sorriso e agradecimento por 2000”, defendeu-se.

O novo técnico alvinegro já comandará a equipe no domingo (16), às 18h30, em partida contra lanterna América-MG, marcada para acontecer na Arena Corinthians.

Publicidade

Uma vitória pode recolocar o Timão no G6, que garante uma vaga para a Libertadores do ano que vem. Para isso, Oswaldo terá a parceria do interino Fabio Carille, que esteve à frente até aqui, para conhecimento do elenco e preparação da equipe que mandará a campo. “É um momento de transição. Conversamos longamente no vestiário. Por enquanto, vou seguir à risca o que o Fábio está me passando. Neste momento, seria insensato chegar e tentar mudar alguma coisa”, afirmou.

Histórico de Oswaldo no Corinthians

A primeira passagem de Oswaldo de Oliveira pelo Timão, de 1999-2000 coincidiu com a conquista do Paulistão e Brasileirão de 1999 e do primeiro Mundial de Clubes do alvinegro, quando, jogando no Maracanã, bateu o Vasco nos pênaltis e se sagrou campeão da primeira edição do torneio patrocinado pela Fifa.

O retorno ao clube se deu em 2004, mas desta vez de maneira vexatória. Naquele ano, o time do Parque São Jorge quase teve decretada sua queda para a Segunda Divisão do Campeonato Paulista.

Publicidade

Depois de perder para a Portuguesa Santista por 1 a 0 em pleno Pacaembu, o Timão passou a depender do São Paulo que jogava contra o Juventus para se salvar do rebaixamento para a Segunda Divisão do Paulistão.

E, com gols de Grafite, o Tricolor bateu o rival da Mooca por 2 a 1, decretando a queda do Moleque Travesso e salvando o Timão. Foi por esta ocasião que Oswaldo foi substituído por Tite, que entre 2004 e 2005 teve uma primeira e apagada passagem pelo Parque São Jorge.

Efeitos da contratação de Oswaldo

Pela mesma porta que entrou Oswaldo de Oliveira saiu Eduardo Ferreira, que até hoje ocupou o cargo de diretor adjunto de futebol do Corinthians. O dirigente, que atuava no Corinthians desde 2015, ao lado do presidente Roberto de Andrade, entregou o cargo hoje, antecipando uma decisão agendada para o fim do ano.

Ele já havia se mostrado contrário à contratação de Cristóvão Borges e viu na chegada do novo treinador a gota d’água do seu descontentamento, uma vez que a decisão partiu exclusivamente do presidente, que bancou a escolha, passando por cima da diretoria. Ferreira é afilhado político de Andrés Sanchez, que não tem sido ouvido nas decisões do clube, e acumulou nos últimos tempos às funções de Sergio Janikian e Edu Gaspar, que saíram, respectivamente, em maio e junho.   #Novo técnico do Corinthians #Corinthians x América