O Fla-Flu, pelo jeito, está longe de acabar. Visivelmente revoltado, o presidente do Tricolor das Laranjeiras, Peter Siemsen, em depoimento ao repórter Wilson Pimentel, da Rádio Tupi, do Rio de Janeiro, confessou a intenção de pedir a anulação do clássico de quinta, disputado no Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, que acabou com a vitória do Rubro-Negro pelo placar de 2 a 1.

"Foi uma verdadeira confusão e a decisão dele, sem dúvida, 13 minutos depois, aconteceu em cima de informações externas. Essa partida, na minha opinião, tem de ser anulado e vamos pedir a anulação do jogo. Tomaremos todas as medidas e acredito, inclusive, que o árbitro deveria ser afastado em definitivo", explicou o dirigente, lembrando que existe jurisprudência para essa situação.

Publicidade
Publicidade

"Já vimos casos, como em 2013 quando um jogo foi anulado por causa disso e vamos trabalhar para comprovar, uma presunção muito forte, que houve interferência externa", completou Peter, que não foi ao jogo porque sua esposa se encontra internada desde a última sexta.

A reclamação do mandatário, ecoada pelos demais membros da diretoria, comissão técnica e jogadores do #Fluminense veio aos 39 minutos do segundo tempo com a decisão de Sandro Meira Ricci em anular o gol de Henrique, que empataria o clássico carioca da 30ª rodada do #Campeonato Brasileiro. Para eles, o árbitro havia dado o tento, mas, devido a uma interferência externa (vídeo), o que não é permitido pela FIFA, voltou atrás na sua decisão.

Na saída do Raulino de Oliveira, o volante William Arão, do Flamengo, durante entrevista concedida ao canal fechado Fox Sports, confessou que ele e seus companheiros receberam informação de fora e foram pedir a anulação do gol de Henrique.

Publicidade

"De fato, a gente teve a informação porque foi estranho que ele (Sandro Meira Ricci) deu impedimento primeiro e, depois, voltou atrás. A gente tem que ressaltar a coragem do árbitro. Estava todo mundo impedido e não tem o que falar", resumiu o camisa 5.

Com o resultado, o Fluminense permaneceu nos 46 pontos, mas, favorecido pela derrota do Atlético-PR (1 a 0 para o Grêmio, em Porto Alegre), segue em sexto lugar, dentro do grupo dos classificados para a Taça Libertadores de 2017. Na próxima segunda, recebe, no Giulite Coutinho, em Édson Passos, a partir das 20h (de Brasília), o São Paulo. #PaixãoPorFutebol