Valdívia foi contratado pela primeira vez em 2006. O jogador foi trazido por Salvador Hugo Palaia e era uma das grandes sensações do Colo Colo-CHI. Na primeira passagem, Valdívia tornou-se o ídolo de muitos palmeirenses, principalmente das crianças. 

O Campeonato Paulista de 2008 foi um grande exemplo disso. Valdívia jogou demais, provocou os adversários e conseguiu levantar a taça do Estadual. O Verdão não tinha conquistado nenhum título no novo século (foi Campeão da Copa dos Campeões e do Rio São Paulo em 2000, mas o século começou em 2001). O elenco era formado por Alex Mineiro, Denílson, Pierre e Marcos. Mas o chileno se destacou bastante. 

Na sua última passagem, porém, o desempenho do meia foi cercado de dúvidas.

Publicidade
Publicidade

Com diversas leões, Valdívia chegou a apresentar até exames falsos para o Departamento Médico do #Palmeiras. Em 2012, brigou com Marcos Assunção nos vestiários por 'fazer corpo mole'. Pediu para trazer um fisioterapeuta amigo dele de Cuba, causando uma enorme satisfação nos médicos do Palmeiras na época. 

Com propostas dos Emirados, Valdívia deixou o clube ainda cercado de problemas. O jogador acusou Alexandre Mattos, executivo de #Futebol, de não se esforçar para fazê-lo ficar e renovar o contrato. A imagem do atleta ficou ainda mais complicada perante o time paulista. Mas boa parte dos torcedores não queriam sua saída e ressaltam até hoje que ele foi o único responsável por evitar a queda do Palmeiras em 2014, ano do centenário. Na última rodada do #Campeonato Brasileiro contra o Atlético-PR, o chileno jogou machucado e fez uma excelente partida, dando passes e fazendo o time se movimentar.

Publicidade

O empate de 1 a 1 livrou o clube do terceiro rebaixamento da história. 

O meia é querido por uma parte do Conselho Deliberativo, e odiado por outra parte. Além disso, Paulo Nobre, atual presidente, já tinha definido que enquanto ele fosse mandatário do clube Valdívia não jogaria mais. Na imprensa, o discurso é outro: "Todo bom jogador interessa". 

Quem deve resolver se Valdívia retorna ou não será o novo presidente, Maurício Galiotte.