A má fase do #Fluminense dentro dos gramados se extende para os bastidores. Neste domingo, pouco tempo depois da derrota de 4 a 2 para o Cruzeiro, no Mineirão, dois candidatos à presidência do clube, ambos da oposição, não pouparam críticas ao atual mandatário, Peter Siemsen.

O primeiro deles foi Celso Barros. Por intermédio de sua conta no Facebook, o ex-gestor da Unimed, que, de 1999 a 2014, era a patrocinadora master da equipe carioca, o futebol do Tricolor está entrega a pessoas com nenhuma competência de administrar.

"O Fluminense Football Club não merece o que a incompetência faz com ele. Sinto saudades do tempo em que eu podia opinar, debater, encontrar em conjunto uma saída.

Publicidade
Publicidade

Mas, o presidente está ocupado com a campanha eleitoral", escreveu Barros, dizendo que Peter Siemsen vem priorizando ajudar a eleger o candidato da situação, Pedro Abad.

Outro que não economizou nos seus comentários foi Mário Bittencourt. Vice de futebol entre 2014 e 2015, o ex-advogado do Fluminense acusou Peter Siemsen de desestabilizar o ambiente do elenco e também de se preocupar mais em cuidar do processo eleitoral do que corrigir os rumos do futebol nessa reta final de temporada.

"Na verdade, acho que essa situação toda se origina quando o presidente do clube, em dois momentos distintos, causa instabilidade no departamento de futebol. Logo após o Fluminense conquistar a Primeira Liga, ele causa uma instabilidade, arrumando uma baita confusão com o jogador mais importante da equipe, liberando-o para um adversário direto (Fred ao Atlético-MG), liberando o Diego Souza (Sport-PE), o Marlon (Barcelona).

Publicidade

Destruiu o planejamento de 2015. Vamos falar o português claro. Ele (Peter), há quase 60 dias, dedica-se a fazer campanha para o candidato da situação", disse Bittencourt em entrevista concedida à Rádio Tupi.

As eleições presidenciais no Fluminense acontecem no próximo dia 26 de novembro, das 9 às 18h (de Brasília), nas Laranjeiras. Além de Celso Barros, Mário Bittencourt e Pedro Abad, Cacá Cardoso é o outro postulante ao cargo.

Enquanto não termina o seu mandato, Peter Siemsen resolveu demitir Levir Culpi após o Tricolor chegar ao sexto jogo seguido sem vencer no Brasileirão. Com Marcão assumindo o comando, o Flu, nono colocado com 48 pontos e, apesar dos tropeços, ainda lutando por vaga no G-6 e classificação para a Taça Libertadores do ano que vem, encara, no feriado de 15 de novembro, às 17h (de Brasília), no Maracanã, o Atlético-PR. #Campeonato Brasileiro #PaixãoPorFutebol