Uma notícia muito triste a toda à imensa torcida do #Corinthians espalhada por todos os cantos do país. Uma auditoria interna feita nessa terça-feira (01) irá investigar e apurar as reais condições estruturais do estádio que serviu de abertura da Copa do Mundo 2014, a Arena Corinthians. Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, existe um grande temor de deslizamento de terra na área externa do estádio devido a um vazamento na tubulação subterrânea do estacionamento. O temor dos dirigentes do clube é que o deslizamento (se houver) possa atingir uma das vias mais movimentadas de São Paulo, a Radial Leste.

O vazamento de água foi descoberto ainda esse ano, no mês de junho, pois um deslizamento de terra já ocorreu na parte lateral do estacionamento.

Publicidade
Publicidade

O deslizamento foi tão grande que afetou a calçada da Radial Leste.

Um ano antes desse deslizamento, um alerta teria sido dado pela Sabesp (que fornece água ao estádio). O aviso da Sabesp alertava sobre o excesso de consumo de água no estádio, fato que preocupou os dirigentes corintianos e colocava em dúvida as condições das tubulações subterrâneas das dependências do estádio.

Sindicância interna revelou relação entre deslizamento, vazamento e rachaduras

Após serem informados pela Sabesp do excesso de água que estava sendo consumida, os dirigentes corintianos fizeram uma sindicância interna das dependências da Arena para verificar o motivo do alto consumo de água. A avaliação também levou em consideração os deslizamentos e rachaduras em paredes ao redor do Itaquerão.

E o que os dirigentes temiam foi confirmado, existia uma relação entre vazamentos x deslizamentos x rachaduras no estádio.

Publicidade

Agora a área que comporta 350 carros em dias de grandes jogos, deverá passar por outras avaliações, para verificar se outras áreas não foram afetadas, principalmente a parte estrutural do estádio, o que comprometeria a segurança de torcedores.

A construtora #Odebrecht que construiu o estádio já foi comunicada por técnicos. Segundo a Folha de São Paulo, mais de 10 milhões de litros de água na parte subterrânea do estádio já vazaram no solo, o que daria para abastecer 1160 apartamentos em um mês em um dos maiores condomínios de São Paulo, o Copan.

Outro lado

A Odebrecht não se pronunciou sobre o assunto, e os dirigentes corintianos confirmaram a auditoria para verificar as condições do estádio. Em relação aos problemas, os dirigentes não quiseram dar maiores informações sobre o assunto.

 

  #Risco de desabar