Para evitar um possível confronto entre os torcedores da Ponte Preta e do Guarani que decide, na noite deste sábado (05), quem será o campeão de 2016 da Série C na partida contra o Boa Esporte de MG a Polícia Militar, pediu à CBF que o jogo entre Ponte e Preta e #Santos fosse adiado para domingo (06) às 11 horas da manhã. 

A transferência da partida entre a Macaca e o Peixe, decidida pouco mais de 24 horas para a realização do jogo, causou revolta junto à direção santista. Modesto Roma, presidente do Santos, sem meias palavras, insinuou que a decisão da entidade máxima do futebol brasileiro visava favorecer o Palmeiras, líder do Brasileirão. 

O mandatário santista entende que a realização de uma partida às 11 horas da manhã é o pior horário para a realização de um jogo de futebol e afeta diretamente o metabolismo dos jogadores.

Publicidade
Publicidade

Modesto Roma discorda dos que defendem a tese de que a mudança é ruim tanto para o Santos quanto para a #Ponte Preta. No entender do presidente do Peixe, a equipe do Santos sai mais prejudicada com essa alteração, porque está disputando o título do #Campeonato Brasileiro

Completamente indignado com a situação, o presidente santista chegou a dizer que "se é para entregar o título para o Palmeiras que o façam de uma vez.". Sem controlar sua insatisfação o presidente do Santos foi além, declarando que estava "P..da vida" com essa situação. Modesto Roma afirmou que o Peixe tinha toda uma logística e um planejamento para jogar no Moisés Lucarelli à noite, mas de repente a CBF decide mudar tudo de uma hora para outra. "Isso visa atender os interesses de quem?", questiona o presidente do Santos.

Publicidade

Por conta dessa situação, Modesto admitiu que sentiu vontade de não colocar a equipe em campo na manhã desse domingo (06), mas desistiu da ideia para não prejudicar o Santos que está com 61 pontos na tabela de classificação, em terceiro lugar no campeonato, e com chances de conquistar o título do Brasiileirão 2016. Modesto Roma lembrou ainda que a direção do Peixe foi avisada por telefone sobre a decisão de antecipação da parida contra a Ponte e que não considera esse o procedimento adequado de fazer as coisas.