#Felipe Massa fará neste domingo (13), em Interlagos, sua penúltima corrida na #Fórmula 1. O paulista, de 35 anos, estreou em 2002 pela equipe Sauber, onde também correu em 2004 e teve passagem marcante pela Ferrari. No time italiano, ele conquistou todas as suas 9 vitórias e terminou a temporada de 2008 como vice-campeão. Agora correndo pela Williams, ele se despedirá do “circo” pela mesma escuderia onde outros quatro brasileiros também se deixaram a categoria, alguns prematuramente.

Ayrton #Senna

A lista é aberta com o eterno tricampeão, que infelizmente deixou as pistas de forma trágica no Grande Prêmio de Ímola, em 1994.

Publicidade
Publicidade

Após estrear na pequena Tolleman dez anos antes, Senna correu três temporadas pela Lotus e seis pela McLaren, onde conquistou seus três títulos. Em busca do tetracampeonato, assinou com a dominante Williams no final de 1993, mas não conseguiu completar nenhuma das três corridas que fez pelo time inglês. Após sua morte, todos os anos a equipe estampa o “S do Senna” nos bicos de seus carros como homenagem.

Rubens Barrichello

Barrichello é mais um brasileiro da lista a ter a Williams como porta de saída da Fórmula 1. Recordista de provas na categoria, o vice-campeão de 2002 e 2004, se despediu correndo justamente em Interlagos em 2011. Seu cockpit foi ocupado por Bruno Senna.

Bruno Senna

Após uma temporada pela nanica Hispania em 2010 e feito algumas corridas pela Lotus na temporada seguinte Bruno assumiu o lugar de Barrichello em 2012, tendo como melhor resultado o sexto lugar no Grande Prêmio da Malásia.

Publicidade

Fez também a melhor volta na corrida de Spa. Mesmo sendo mais constante na pontuação, viu o companheiro Pastor Maldonado vencer o GP da Espanha, última vitória do time de Grove. No fim do ano o sobrinho do tricampeão perdeu o lugar por Valtteri Bottas.

Antônio Pizzonia

Depois de ser pilotos de testes em 2004, substituindo Ralf Schumacher em algumas provas, Antônio Pizzonia protagonizou uma espécie de vestibular com o alemão Nick Heidfeld pré-temporada do ano seguinte para ver quem seria o piloto titular. Preterido, o brasileiro voltou à condição de piloto de testes, mas participou de algumas provas, no lugar do próprio Heidfeld. Em 2006 perdeu a vaga para Nico Rosberg, deixando de vez a categoria.