Liderando um movimento para extinguir a corrupção no futebol nacional, o ex-atacante e atual senador pelo PSB do Rio de Janeiro, Romário de Souza Faria, divulgou, através de seu blog pessoal, que, nesta quarta, juntamente com o seu colega Randolfe Rodrigues (REDE-AP), sugeriu. na CPI, em Brasília, uma série de onze medidas que visavam modernizar o esporte mais popular do Brasil.

Dentre as propostas apresentadas pelo Baixinho, a de maior destaque é a democratização das imagens das competições. Nesse sentido, Romário pede o fim do monopólio das transmissões esportivas por parte da Rede Globo, lembrando, inclusive, que a emissora carioca, desde o último mês de maio, é sujeito de análise do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

Publicidade
Publicidade

Outro ponto de destaque foi a possibilidade de se criar uma Liga Nacional, que ficaria responsável por organizar os Campeonatos Brasileiros (Séries A,B, C e D), a Copa do Brasil, além dos torneios das categorias de base. Enquanto isso, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) cuidaria apenas das Seleções.

Investimento no futebol feminino, implementação de um Colégio Eleitoral com representantes dos clubes de todas as divisões do Brasileiro, independências da arbitragem e da Justiça Desportiva, maior participação dos atletas junto à CBF, distribuição anual do balanço financeiro das entidades esportivas (federações estaduais), restrição de publicidade nos clubes e proibição de empresários ligados a jogadores na Comissão Técnica da Seleção são os demais pontos do relatório apresentado pelo ex-camisa 11, responsável pela conquista do Tetra de 1994, nos Estados Unidos.

Publicidade

Lutar por mudanças no futebol brasileiro se tornou uma obsessão para #Romário desde quando abandonou os gramados e ingressou no mundo da política. Sempre usando as redes sociais, o Baixinho, conhecido pelo seu temperamento intempestivo e sem "papas na língua", não poupa críticas aos dirigentes. Os principais alvos da fúria do ídolo são Ricardo Teixeira, José Marin, ambos ex-presidentes da CBF, além de Marco Polo Del Nero, atual gestor da entidade. #Politica esportiva #PaixãoPorFutebol