A diretoria do #Palmeiras está plenamente atenta ao #Mercado do #Futebol. Em dezembro haverá a transição da diretoria. Maurício Galiotte vai assumir a presidência no lugar de Paulo Nobre. Nobre já teve dois mandatos e deve continuar ajudando na diretoria, porém ainda sem cargo definido. 

Além de pensar no ano que vem em si, a ideia do Alviverde é tentar o bicampeonato da Copa Libertadores. Com mais times e mais alongada, a competição terá um grau de dificuldade à mais. 

Alguns atletas devem ser dispensados. O técnico Cuca propriamente não sabe ainda se fica, mas já participa da montagem do elenco. Um dos nomes pedidos foi de Miguel Borja, do Atlético Nacional.

Publicidade
Publicidade

Borja foi o melhor jogador da Libertadores e humilhou o São Paulo na semifinal marcando quatro gols e não dando chance de reação para os tricolores. 

O problema com Borja foi a pedida do time colombiano: 20 milhões de euros para liberar. O Palmeiras considerou o valor altíssimo e a negociação esfriou. Ainda existe possibilidade, mas o Alviverde já procurou outras opções. 

De acordo com o blog Ora Bolas, o novo alvo do Palmeiras é o atacante Lucas Pratto, do Atlético-MG. A Crefisa quer ajudar e pode tirar Pratto de Minas Gerais por R$ 35 milhões. Atualmente a atual patrocinadora já paga mais de R$ 1 milhão mensais para Lucas Barrios, atacante paraguaio que não vem tendo chances com Cuca no ano. 

A venda de Gabriel Jesus para o Manchester City deu um enorme respiro nas contas palmeirenses. Em reunião realizada com sócios e conselheiros na semana passada, Galiotte disse que o clube ainda tem dívidas, mas que tudo se equalizou.

Publicidade

O objetivo da nova gestão é quitar boa parte das dívidas e assim permitir que o Palmeiras beba ainda mais 'água limpa' nos próximos anos. 

Transmissão

Maurício também falou sobre os direitos de transmissão. Atualmente a Rede Globo detém, mas o Palmeiras está 'de olho' em outras oportunidades. O canal Esporte Interativo já fez proposta e o Alviverde está analisando. Uma coisa é fato: só será resolvido em 2019 quando termina o contrato com a empresa.