A segunda-feira, 14 de novembro de 2016, entrará para os anais da Confederação Brasileira de Basquete como um dia decepcionante. Isso porque a FIBA (International Basketball Federation), alegando completo descontrole por parte dos brasileiros, suspendeu a Confederação Brasileira de #Basquete (CBB) de todas as competições regidas pela instituição até, pelo menos, dia 28 de janeiro de 2017. A decisão foi tomada em um encontro com membros do Comitê Executivo, realizado na sede da entidade, em Genebra, na Suíça.

Para os gestores de torneios mundiais de basquete, a suspensão é necessária para que o Brasil "coloque ordem na casa" para cumprir determinados procedimentos obrigatórios a todos os integrantes da Federação Internacional de Basquete.

Publicidade
Publicidade

Ainda, segundo a FIBA, a Confederação Brasileira de Basquete recebeu todo o apoio e orientações da entidade internacional para a realização dos Jogos Olímpicos Rio 2016 mas, mesmo assim, não se adequou às exigências da Federação que criou, inclusive, uma força-tarefa para colaborar com a reorganização da CBB.

No último mês de setembro o espanhol Jose Luiz Saez, ex-presidente da Federação Nacional de Basquete da Espanha, foi nomeado pela FIBA como interventor na CBB a fim de organizar as contas da entidade brasileira que acumula dívidas de mais de R$ 15 milhões, desde o fim de 2015.

A Confederação Brasileira de Basquete usou como base a permanência de Saez na instituição para contestar a decisão da FIBA, alegando que o interventor já desembarcou ciente da ausência do Brasil em competições de base no país.

Publicidade

Para a entidade nacional, a decisão da Federação Internacional é precipitada e surpreendente, uma vez que esperava, no máximo, uma advertência após parecer do interventor, que fora entregue à instituição.

Para a ex-jogadora Hortência, o basquete brasileiro precisa ser reinventado para, só daqui a uma década, voltar a colher bons frutos como nos tempos em que ela atuava.

Sem um plano B, a Confederação Brasileira de Basquete, agora, terá de criar uma estratégia e aguardar até a próxima reunião, que acontecerá em 28 de janeiro, quando a suspensão será reavaliada pela FIBA. #Olimpíadas #Esporte