Um dos principais nomes da boa campanha da Ponte Preta no Brasileirão deste ano, o atacante Roger teve seu contrato rescindido pela Macaca.

Revelado pela própria Ponte, esta foi a quarta passagem do atleta pelo clube de Campinas. O último retorno ocorreu para a disputa do Brasileiro de 2016, após excelente passagem pelo Red Bull Brasil no Paulistão deste ano, quando sagrou-se artilheiro do torneio.

Acerto com o Botafogo não foi o motivo do desligamento

De acordo com o gerente de #Futebol da Macaca, Gustavo Bueno, o atleta sempre teve o direito de assinar pré-contrato, algo comum no mundo do futebol. Porém, o que o jogador não podia ter feito era ter ido viajar para o Rio de Janeiro para fazer exames médicos em meio a uma semana de treino, em véspera de jogo importante.

Publicidade
Publicidade

“Nós estamos dizendo o tempo inteiro que o time tem que focar na próxima partida, que ainda estamos na disputa da vaga para a Libertadores, e ao fazer isso ele expõe a instituição. Por isso nossa diretoria optou pela rescisão do contrato e conversamos com ele pela manhã desta quinta-feira, 3 de novembro, sobre isso”. O dirigente também afirmou que não há nada de errado em um jogador mudar de opinião e buscar uma condição financeira melhor, já que Roger teria acertado verbalmente a renovação com a Ponte Preta em duas ocasiões.

“Aproximadamente há 40 dias atrás, Roger e eu conversamos a respeito de uma renovação, de uma forma verbal chegamos a um acerto. As condições mudaram e voltamos a fechar verbalmente”, destacou Gustavo Bueno, que completou: “Cheguei a comentar com o Roger que caso a Ponte Preta tivesse ao longo de 2017 um jogador que viesse em uma condição melhor ofertada para ele, estaria disposto a colocar uma cláusula contratual em que o valor do salário do Roger chegaria nesse patamar.

Publicidade

Desta forma, queríamos valorizar o Roger e mostrar o quanto ele era importante para o time”.

O gerente de futebol afirma ter sido pego de surpreso com o anúncio do pré-contrato firmado por Roger com o Botafogo para 2017, mas que este não foi o motivo que pesou na decisão da diretoria:

“Quero deixar claro que o motivo do desligamento do Roger pela diretoria da Ponte, não está condicionado pelo fato de ter assinado contato com o Botafogo, pois entendemos que faz parte do futebol. Sabemos que o atleta tem que buscar o melhor para ele e para a família dele. O que realmente levou a Ponte Preta ao desligamento do Roger foi que após toda essa situação, tomamos ciência através da internet, das redes sociais, que o Roger esteve no Rio de Janeiro na terça-feira de tarde, se encontrou com membros da diretoria do Botafogo e acabou fazendo exame médico”.

Roger não se pronunciou, porém demonstrou a pessoas próximas insatisfação com a decisão da Ponte Preta. #PontePreta #Brasileirão