No sábado que vem, das 9 às 18h (de Brasília), acontecerá, nas Laranjeiras, a eleição para definir quem será o presidente do Fluminense pelo próximo triênio: Pedro Abad, da Flusócio, candidato da situação além dos opositores Mário Bittencourt, da chapa "O #Fluminense me domina" e Celso Barros, da "Tudo pelo Fluminense". Mesmo com algumas divergências, os três possuem uma opinião em comum: é necessário modificar a forma de como vem sendo gerido o futebol profissional.

Antigo gestor da Unimed, empresa médica que, até 2014, respondia pelo patrocínio e investimento maciço na montagem do elenco, Celso Barros critica a pouca participação do atual presidente do clube, Peter Siemsen e se diz o mais preparado, dentre os candidatos, a levar o Flu, novamente, ao caminho dos títulos.

Publicidade
Publicidade

Para isso, se eleito, deverá contar com presença de figuras tradicionais dentro da política tricolor, como Alcides Antunes, que, por diversas vezes, foi o homem-forte do futebol. Além disso, Washington "Coração Valente", ídolo e campeão brasileiro de 2010, seria o gerente-executivo dessa possível administração.

Também questionando a ausência de Peter Siemsen, Mário Bittencourt, ex-advogado e, de 2014 até meados desse ano, vice de futebol do Fluminense, é outro a garantir mais presença dentro do dia-a-dia. Caso vença a eleição, Ricardo Tenório seria o seu "braço direito" na montagem do grupo e o experiente Carlos Alberto Parreira trabalharia como um consultor para outros projetos.

Já o candidato Pedro Abad, mesmo elogiando o trabalho da atual gestão, acredita que o departamento de futebol necessita ser profissionalizado e, vencendo o pleito, deverá montar uma trica de comando no departamento, formada por Marcelo Teixeira (responsável pela base), Fernando Gonçalves (ex-diretor da Traffic) e Alexandre Torres, filho de Carlos Alberto Torres, capitão do tri e falecido recentemente.

Publicidade

De todas as incertezas, a única coisa que parece sacramentada é a não-permanência de Jorge Macedo. Vindo no meio da atual temporada do Internacional, o gerente-executivo, apesar de já vir trabalhando para a montagem do elenco de 2017 e ter contrato por mais um ano, foi bastante questionado pelas recentes contratações e deverá buscar outros caminhos no ano que vem.

Enquanto o futuro não chega, o Fluminense tem mais duas partidas em 2016, ambas pelo #Campeonato Brasileiro. Em 11º luar com 49 pontos, o Tricolor praticamente não tem chances de ir à Taça Libertadores, mas deverá estar na próxima Copa Sul-Americana e, no domingo, às 19h30 (de Brasília), irá ao Orlando Scarpelli, em Florianópolis, para encarar o Figueirense. #PaixãoPorFutebol