Palmeiras e Santos viraram mais rivais nos últimos anos. Em 2015, foram duas finais: Campeonato Paulista e Copa do Brasil. No Estadual deu Santos, nos pênaltis. Na Copa do Brasil deu #Palmeiras, também nos pênaltis. O aumento da rivalidade ganhou vários nomes, como Ricardo Oliveira, David Bras, Dudu e Fernando Prass.

Em 2016, nova semifinal do Paulistão. E mais uma vez o Santos conseguiu passar (também nos pênaltis). No Campeonato Brasileiro, porém, o Alviverde tem a chance de se vingar. E se vingar de uma forma muito mais superior, já que o Nacional tem uma importância maior que o Campeonato Paulista. Um empate no domingo contra a Chapecoense determina o nono título palmeirense na história.

Publicidade
Publicidade

A rivalidade também saiu das quatro linhas. Muito bem financeiramente, o Palmeiras tem mais poder de fogo para contratações. O Santos, com sérios problemas de caixa, ainda não conseguiu se livrar de suas principais dívidas. Em entrevista à TV, Modesto Roma confirmou que o clube passa por dificuldades. Além disso, Roma afirmou que não entrará em qualquer leilão para ter nenhum jogador. Ele estava falando de Alejandro Guerra, do Atlético Nacional-COL.

Guerra foi procurado pelos santistas e recebeu sondagem. Alexandre Mattos, executivo de #Futebol do Palmeiras, também foi atrás e efetuou uma proposta muito mais tentadora. O projeto do Verdão é ambicioso para 2017 e chamou a atenção do atleta, que disputará o Mundial de Clubes em dezembro.

Tantos meias?

Raphael Veiga, Moisés, Cleiton Xavier, Valdívia (Internacional)...e agora Guerra.

Publicidade

O Palmeiras está (e ou estará) recheado de meio-campistas para o próximo ano. Ficou claro que a disputa da Libertadores é o alvo principal.

No entanto, o clube não sabe se o técnico Cuca vai ficar ou não. Essa indecisão 'trava' um pouco os negócios. Afinal se Cuca sair, quem vai chegar? Qual será o perfil do novo treinador? Ele não participará ativamente das contratações e isso pode causar uma desfunção.

O Palmeiras está tentando de tudo para renovar com o treinador. Aliás é a grande prioridade do final do ano. #Mercado da bola