O imbróglio envolvendo a Libertadores da América de 2017 e os times mexicanos parece ter chegado ao fim. De acordo com a ESPN mexicana, a Federação Mexicana de Futebol (FMF) definiu que os seus representantes estão fora da competição em 2017.

A mudança do calendário da Libertadores já no ano que vem imposta pela #Conmebol, organizadora da competição, foi a principal causa para a decisão.

A partir de 2017 a disputa da Libertadores será feita ao longo do ano. Até a edição deste ano a Libertadores era realizada até metade do ano ou, em algumas exceções, até o início do segundo semestre.

A Federação Mexicana alega ser impossível conciliar as datas da Libertadores com as outras competições já programadas no seu próprio calendário e ao da Concacaf, confederação que rege o futebol na América do Norte, Central e Caribe.

Publicidade
Publicidade

A participação dos mexicanos era vista como essencial pela Conmebol, principalmente no contexto comercial, pois o mercado local é muito forte principalmente pelas empresas que patrocinam e que são proprietárias dos times locais. Há ainda a questão da aproximação ao mercado dos Estados Unidos, devido à proximidade e o enorme número de mexicanos no país vizinho.

Mudanças no torneio

Com a presença do México, a Libertadores seria disputada por 44 clubes distribuídas da seguinte forma: sete brasileiros, seis argentinos, cinco colombianos e quatro chilenos, Já o Equador, Paraguai, México, Bolívia, Uruguai, Peru e Venezuela contariam com três representantes cada. A última vaga é do campeão da Copa Sul-Americana. Com a saída da Federação Mexicana, a expectativa é que as três vagas sejam novamente distribuídas, porém, até o momento a Conmebol não se pronunciou a respeito.

Publicidade

Os times do México disputam a competição desde 1998. As melhores campanhas neste período foram realizadas pelo Cruz Azul, em 2001, Chivas, em 2010, e Tigres, em 2015, quando conquistaram o vice-campeonato. O regulamento da Libertadores previa que os mexicanos não poderiam representar a Conmebol no Mundial de Clubes, promovido pela Fifa, mesmo que fossem campeões. A vantagem era que estes times tinham direito integral à premiação oferecida.

A escolha dos representantes do México se dava para o campeão da Supercopa Mexicana e para os dois melhores qualificados no Apertura que não se classificassem para a Liga dos Campeões da Concacaf. #FutebolBrasileiro #Libertadores2017