Há dois dias, o #Shanghai Shenhua da China contratou o atacante #Carlos Tévez, que estava atuando no #Boca Júniors da Argentina. O Boca recebeu cerca de 36 milhões de reais pela negociação. Em contrapartida, Tévez passou a ser o atleta mais bem pago do mundo com um salário em torno de 80 milhões de reais por ano. Isso representa inimagináveis quatro reais por segundo para o argentino de 32 anos jogar no futebol chinês.

No entanto, como fizeram esse alto investimento, os chineses procuraram se cercar de todas as garantias para não evitar prejuízos futuros. Uma dessas precauções refere-se à cláusula do contrato onde o Boca Júniors se compromete a pagar 40 milhões de reais ao Shanghai, caso o Tévez não cumpra o acordo até o final.

Publicidade
Publicidade

Uma rápida retrospectiva no comportamento dos jogadores argentinos nos últimos anos, mostra que a preocupação dos chineses não é sem sentido, pelo contrário. Em 2007, Juan Riquelme, depois de ter sido eleito o melhor jogador do Villarreal da Espanha, decide largar tudo e voltar para a Argentina com o objetivo de encerrar sua carreira no Boca, clube do coração.

Em 2013, outro argentino, Ignacio Scocco, contratado pelo Internacional após ter brilhado na Libertadores, após alguns meses pediu para rescindir o contrato porque queria retornar ao Newell's Old Boys, clube que o revelou, pois não sentia motivação em jogar o Campeonato Brasileiro.

Por fim, o próprio Carlito Tévez que conquistou uma temporada brilhante na Europa jogando pela Juventus de Turim da Itália. Carlitos, mesmo tendo propostas de vários clubes europeus, inclusive da própria Juve, para permanecer no Velho Continente, decidiu retornar para a Argentina, ganhando bem menos, porque queria ajudar o Boca Júnior a ser campeão da Libertadores da América.

Publicidade

Esse é um breve histórico, que, se analisado com mais amplitude, mostrará inúmeros casos de jogadores argentinos que decidiram abrir mão de dinheiro e fama porque queriam simplesmente voltar para casa. Sabendo disso, o Shangha tentou se precaver, tornando praticamente impossível um retorno do Tévez ao Boca antes do final do contrato. Ou alguém acha que o clube argentino conseguiria levantar 40 milhões junto aos seus fanáticos torcedores para ter o Apache de volta?