Durante a semana, Eurico Miranda anunciou a chegada do ex-gerente de #Futebol do Vitória, Anderson Barros, ao #Vasco. Com ele, vem a esperança de um rejuvenescimento da equipe, algo que vem sendo cobrado por torcedores e pelos próprios membros da comissão técnica. Talvez de fato sirva de alento para a estruturação do time.

O lado positivo é que ele e Cristóvão Borges reeditarão uma parceria já feita no Bahia, em 2013. Na ocasião, a equipe nordestina se sustentou na Série A pelo segundo ano consecutivo, mas também não obteve conquistas exuberantes. Por hora, é a única notícia agradável envolvendo o nome do novo gerente vascaíno.

Publicidade
Publicidade

Contratações, até o momento, nenhuma. As únicas novidades do time neste fim de ano foram a contratação de Cristóvão, Anderson e a saída da barca vascaína, contendo jogadores como Júlio dos Santos, Fellype Gabriel, Leandrão e Willian.

Até agora, o que tem são apenas especulações envolvendo nomes de peso como Luís Fabiano, Thiago Neves e Diego Souza, que teve grande passagem pelo clube entre 2011 e 2012. Entretanto, o torcedor vascaíno, conhecedor do presidente que tem, sabe que dificilmente poderá contar com algum destes nomes para o próximo ano. O alto valor de salários e multas rescisórias é um empecilho, mas a cisma por jogadores com idade muito avançada por parte da diretoria é algo que assusta ainda mais.

Outra novidade relacionada, de acordo com o site Globo Esporte, é o fato de Eurico Brandão, mais conhecido como Euriquinho, ter se tornado vice de futebol do Vasco.

Publicidade

O rapaz vem ganhando protagonismo no clube no segundo mandato do pai, Eurico Miranda, que insiste em distribuir funções a seu herdeiro, apesar deste se envolver em discussões com a torcida vascaína. O que se espera é que o rapaz não intervenha tanto no trabalho de Barros e que este tenha autonomia para gerir as contratações da equipe.

Para 2017, resta ao Vasco da Gama as incertezas que tomam conta de seu ambiente, tanto no quesito político quanto no próprio futebol. O que é certo é que se não houver reestruturação adequada no elenco e o fim da era Miranda, o torcedor terá motivos para mais desesperos. Porém, apesar de ser um ano de eleição, a oposição anda fraca e tudo indica que a família permanecerá em São Januário por mais algum tempo.