Após a última partida do Campeonato Brasileiro, o mercado da bola deverá ficar mais agitado, uma vez que os clubes precisarão ir atrás dos reforços para planejar a temporada de 2017. No #Corinthians, por exemplo, alguns rumores foram levantados. Desta vez, cogita-se a saída do meia Rodriguinho, um dos destaques positivos do Alvinegro ao longo da temporada.

Em meio à crise política, o Timão tentará segurar alguns jogadores para não sofrer grandes perdas, igual aconteceu após o título do Campeonato Brasileiro de 2015. Entretanto, a diretoria sabe da importância de colocar dinheiro no caixa para balancear as dívidas que possui, principalmente por conta da Arena.

Publicidade
Publicidade

O #Flamengo seria um dos interessados no meia do Parque São Jorge. No ano passado, as equipes entraram em negociação e o resultado foi positivo para o clube carioca. Os atacantes Emerson Sheik e Guerrero fecharam acordo com a equipe da Gávea, na qual estão até hoje.

Situação do Fla

Para o Mengão, o negócio é visto com bons olhos. Apesar de contar com Diego como principal jogador e titular na posição, o clube vai perder Alan Patrick, que muito provavelmente retornará ao futebol ucraniano. Deste modo, o técnico Zé Ricardo já solicitou que precisa de uma peça de reposição no setor, ainda mais com a disputa da Libertadores no próximo ano.

Até o momento, nenhum dos clubes comentou sobre o interesse, nem mesmo os valores do negócio foram cogitados. O presidente Eduardo Bandeira de Melo disse recentemente que deve contratar de quatro a cinco reforços e que, ao mesmo tempo, não poderá fazer nenhum loucura financeira.

Publicidade

Situação do Timão

Já pelo lado do Corinthians, o presidente Roberto de Andrade estava afastado por questões de saúde e retornou às atividades apenas nesta segunda-feira. O time paulista vai adotar uma diretriz depois da última rodada do Brasileirão. Se conseguir uma vaga na Libertadores, poderá investir e segurar alguns jogadores. Caso contrário, o investimento não será dos melhores e novamente a torcida terá de se contentar com uma equipe mediana para o ano seguinte.