Enquanto toda a Europa se mostra contra a chegada dos imigrantes, o astro internacional português #Cristiano Ronaldo mandou um vídeo de apoio as crianças da Síria. "Isto é para as crianças da Síria. Sabemos que tem sofrido muito, eu sou sou um jogador famoso, mas vocês são os verdadeiros heróis", disse o craque.

O futebolista português Cristiano Ronaldo pede para as crianças sírias não perderem a esperança,considerando-as "verdadeiros heróis" em um vídeo gravado, além de contribuir com um "donativo poderoso" para a organização Save the Children.

A entidade divulgou que a verba, cujo montante não foi revelado, vai ser empregada em comida, roupa, cuidados médicos de emergência e apoio psicossocial a crianças e famílias vulneráveis, que têm vivido durante anos cercadas sob constantes bombardeios em meio a guerra civil que assola o país.

Publicidade
Publicidade

"Não percam a esperança. O mundo está convosco. Nós preocupamo-nos convosco. Eu estou convosco", afirmou o capitão da seleção de Portugal no vídeo compartilhado pela Save the Children.

O melhor jogador de futebol do mundo, eleito este mês pela revista francesa France Football, é conhecido por seu estilo de vida e sua generosidade fora das quatro linhas, sempre ajudando as ONGs e os necessitados.

No vídeo, o jogador do Real Madrid fala que tem muitos fãs no mundo mas que os verdadeiros heróis são as crianças e que está junto com elas nessa luta.

O craque do Real Madrid já avia realizado o sonho de uma criança refugiada, ao entrar com o menino no Santiago Bernabeu, estádio de futebol do Real Madrid.Toda a Europa se surpreendeu com a atitude do craque ao postar um vídeo em sua rede social mandando mais uma vez seu apoio aos refugiados.

Publicidade

Após ganhar o Mundial de Clubes no Japão com o Real Madrid, Cristiano Ronaldo disputa o prêmio de melhor jogador da Fifa (Federação Internacional de Futebol), concorrendo diretamente com argentino Leonel Messi, astro do Barcelona. A cerimônia de premiação e a entrega do troféu serão realizados no próximo dia 9 de janeiro. #Crise migratória #Conflito na Síria