O Brasil ficou muito perto de pela primeira vez em décadas não ter um único piloto alinhando no grid no Campeonato Mundial de #Fórmula 1. Mas tudo mudou no início deste mês, quando o recém-campeão Nico Rosberg surpreendeu a todos anunciando sua aposentadoria. Na hora a dança das cadeiras começou se movimentar para ver quem seria o piloto a ocupar o tão cobiçado cockpit na equipe Mercedes para correr ao lado de Lewis Hamilton.

Muitos nomes foram especulados para a vaga, mas nos últimos dias o que ganhou mais força foi o do Finlandês Valtteri Bottas, companheiro de Felipe #Massa na #Williams. O brasileiro já havia anunciado sua despedida das pistas, uma vez que a equipe britânica acertou o jovem canadense Lance Stroll.

Publicidade
Publicidade

Dessa forma, na iminência de perder um piloto experiente, ainda mais em um ano em que a categoria passará por profundas mudanças em seus carros, Frank Williams teria convencido o brasileiro a adiar sua aposentadoria.

Outra razão para o retorno do vice-campeão de 2008 seria uma questão comercial. A fabrica de bebidas Martini é a principal patrocinadora da equipe e a legislação em vários países proíbe que publicidade com pessoas abaixo de 25 anos, segundo apurou o site Grande Prêmio. Como Stroll tem apenas 18, o time se optasse por um segundo piloto jovem, ficaria sem um garoto-propaganda para campanhas publicitárias.

A permanência de Massa na Fórmula 1 por consequência complica ainda mais a situação do xará Felipe Nars. O brasileiro ainda não tem equipe para correr no ano que vem e via nessas vagas extras abertas com a saída de Massa e Rosberg a chance de emplacar sua terceira temporada na categoria e agora é um lugar a menos.

Publicidade

Nars ainda negocia com a Sauber, time que correu em seus dois anos, porém após a saída do Banco do Brasil, que patrocinou o time neste mesmo período, sua permanência tornou-se muito improvável.

Nesta temporada, Nars foi o responsável pelos únicos dois pontos obtidos pela Sauber em 21 corridas. Eles vieram com um 9º lugar no caótico Grande Prêmio do Brasil, marcado pelas fortes chuvas em Interlagos. Apesar de parecer pouco, esses pontos foram fundamentas para a equipe suíça, que dessa forma ultrapassou a Manor na classificação e terminou o mundial de construtores na 10º posição, o que para a Fórmula 1 significa uma quantia considerável de dinheiro.