Nesse sábado (03), os corpos das vítimas da tragédia Chapecoense chegaram ao Aeroporto Municipal. Familiares e torcedores estão no local prestando suas últimas homenagens ao time e às demais vítimas. Estima-se que cerca de 100 mil pessoas passem pelo estádio hoje.

Ao verem os caixões serem retirados dos aviões, as famílias choram a perda de seus entes queridos. O momento é de muita emoção no aeroporto.

Após receberem essa primeira homenagem, os corpos serão velados no estádio e serão encaminhados para as cidades de cada vítima. Aproximadamente 16 sepultamentos estão programados para acontecer na tarde desse sábado, em Chapecó.

Publicidade
Publicidade

Torcedores não tem acesso às urnas, o local é restrito aos familiares e amigos. Os fãs podem assistir da arquibancada e do lado de fora do estádio, onde foram colocados telões. A decisão de não permitir a entrada dos fãs nos gramados pode ser alterada no decorrer do velório.

Os aviões saíram da Colômbia por volta das 19h30 (horário de Brasília) e chegaram em Manaus por volta de 23h30 dessa sexta-feira (2) onde foram resolvidas questões alfandegárias. No aeroporto torcedores gritavam: “vamos Chape”.

A tragédia

Na última terça-feira, 29 de novembro, o time da #Chapecoense foi vítima de um grave acidente que ocorreu na Colômbia, próximo à cidade de Medellín. O acidente deixou 71 vítimas fatais e outros 6 feridos, que estão internados no hospital.

Especialistas apontam a possibilidade do avião estar sem combustível no momento do acidente, o que explica de não ter ocorrido explosão no impacto.

Publicidade

Sobreviventes

Veja o nome dos sobreviventes da tragédia: os tripulantes Erwin Tumri e Ximena Suárez., o zagueiro Neto, o goleiro Jackson, o lateral-esquerdo Alan Ruschel e o jornalista Rafael Henzel.

Segundo a equipe médica, os sobreviventes estão estáveis, porém, ainda precisam de observação. Follmann teve uma perna amputada e ainda corre o risco ter o pé amputado.

O jogador Ruschel e o jornalista Rafael Henzel passaram por cirurgia para corrigir fraturas, mas também estão fora de perigo. Mesmo não havendo grave risco para os sobreviventes, o hospital não se pronunciou sobre as altas.