A vida do atacante Gabigol, ex-Santos, não está fácil. Pouco aproveitado pela Inter de Milão, nem quando ele entra em campo, seu #Futebol é valorizado. Nesta quarta-feira, 21, na vitória de sua equipe por 3 a 0 sobre a Lazio pela 18ª rodada do Campeonato Italiano, o brasileiro entrou aos 41 minutos na vaga de Candreva e, mesmo com o pouco tempo, mostrou vontade, foi à beira do campo pedir o incentivo da torcida e arriscou um passe de letra.

Os presentes no estádio gostaram e aplaudiram o jovem atleta, mas o técnico Stefano Pioli não ficou contente. Após a vitória, o comandante da Inter demonstrou insatisfação pelo desempenho do atacante campeão olímpico com a Seleção Brasileira nos Jogos do Rio 2016.

Publicidade
Publicidade

“Estou feliz pelo entusiasmo do Gabigol, mas gostaria de vê-lo fazendo algumas jogadas que são mais úteis e não apenas espetaculares”, criticou Pioli.

Rumores vindos da Itália nas últimas semanas dão conta de que Gabigol será emprestado para ganhar mais experiência e poder voltar posteriormente à Inter. Segundo o treinador da equipe italiana, a situação do atleta está sendo avaliada, sem deixar claro se ele será emprestado. Porém, Piolli disse que sua meta em janeiro é de diminuir o número de jogadores do elenco. Assim, o espaço do ex-santista poderá ficar ainda menor.

O empresário de Gabigol, Wagner Ribeiro, representante dos interesses de Gabigol, deverá ir para a Itália no começo de janeiro para tentar resolver a situação. Em entrevista à ESPN, Ribeiro reclamou do pouco aproveitamento de seu cliente.

Publicidade

“Na Itália os treinadores gostam de trabalhar com jogadores mais amadurecidos. Mas eu achava que iam dar uma chance para ele. Se ele tivesse uma chance e jogasse mal, eu entenderia. Se ele conseguir uma oportunidade, ele vira titular. Futebol ele tem!”, afirmou.

No entanto, Wagner Ribeiro acredita que Gabigol deve continuar na Inter. A opção de ser emprestado para um clube de menor expressão – o espanhol Las Palmas estaria interessado – não é vista com bons olhos por ele.

A volta ao Brasil não é descartada, mas é observada como bastante difícil, pelos valores que deveriam ser aplicados na negociação e também pelo fato de que o atacante perderia a vaga de extracomunitário no meio do ano. #Mercado da bola #Futebol Internacional