O grito estava preso na garganta dos gremistas desde o já distante ano de 2001, quando o clube havia conquistado o seu último grande título. Enfim, a espera chegou ao final na noite desta quarta-feira. Em uma Arena lotada com mais de 55 mil gremistas, o #Grêmio segurou o Atlético-MG, administrou a vantagem de 3x1 obtida no primeiro jogo e segurou um empate em 1x1 suficiente para ficar com a taça da Copa do Brasil.

A proposta de jogo ficou clara desde os primeiros minutos: precisando de gols para reverter a vantagem rival, o Galo teve a maior posse de bola, mas esbarrou na forte marcação gremista e na noite inspirada da dupla de zaga formada por Pedro Geromel e Walter Kannemann.

Publicidade
Publicidade

Júnior Urso, de cabeça, e Robinho, de fora da área, tiveram as melhores chances do Atlético-MG na primeira etapa, enquanto Everton, do Grêmio, perdeu um gol na frente do goleiro Victor.

No segundo tempo, o técnico interino Diogo Giacomini mandou o Galo para frente com a entrada do meia Maicosuel no lugar de Júnior Urso. Mas o roteiro do primeiro tempo não se alterou. Eram os mineiros os donos da bola, mas quem mais assustava era o Grêmio nos contra-ataques. Já perto do final do jogo, quando nada parecia capaz de tirar o título do Grêmio, o equatoriano Miller Bolaños aproveitou um rebote na área e fez 1x0, para a explosão dos tricolores presentes na Arena.

Naquele instante, o gol nem era tão necessário já que o 0x0 também beneficiava a equipe gremista, mas o lance gerou uma grande comemoração entre torcedores e jogadores.

Publicidade

Os atletas fizeram a famosa rodinha de comemoração e até o técnico Renato Gaúcho foi abraçar dentro de campo os seus comandados. A festa antecipada tirou a concentração dos tricolores e do goleiro Marcelo Grohe, que no lance seguinte levou um gol antológico de Juan Cazares - ele arriscou antes da linha do meio campo e encobriu o arqueiro gremista, no chamado "gol que Pelé não fez".

Mas nem mesmo a verdadeira obra de arte do meia atleticano foi capaz de evitar o vice-campeonato do clube, que não repetiu o título de 2014 e viu a taça ficar com os mandantes gaúchos. O Grêmio, por sua vez, se tornou o maior campeão da história da #Copa do Brasil com cinco conquistas: 1989, 1994, 1997, 2001 e 2016. Além disso, o clube garantiu vaga automática na fase de grupos da Copa Libertadores de 2017.

Caminhada rumo ao título

Por ter disputado a Libertadores deste ano, o Grêmio entrou diretamente na fase de oitavas da Copa do Brasil. Ainda sob gestão do técnico Roger Machado, venceu a estreia contra o Atlético-PR, no Paraná, por 1x0.

Publicidade

Na volta, já com Renato Gaúcho, precisou das penalidades máximas e do heroísmo de Marcelo Grohe para se classificar.

Nas quartas, o Grêmio eliminou o Palmeiras ao vencer em casa por 2x1 e segurar o empate em 1x1 no Allianz Parque. Por fim, dois mineiros ficaram pelo caminho. Na semi, o Cruzeiro perdeu para o tricolor por 2x0 no Mineirão e não saiu de um 0x0 na Arena e na grande final o Grêmio fez 3x1 no Atlético-MG, no Mineirão, e empatou em 1x1 na Arena, nesta quarta-feira. #Atletico-MG