Depois de muita dor e muito tormento, o lateral da #Chapecoense #Alan Ruchel falou tudo sobre o #Acidente com avião que levava a equipe em uma coletiva que aconteceu no último sábado (17). Em prantos, o jogador afirmou que é um milagre de Deus estar vivo e andando.

O jogador diz que assim que acordou não lembrava de nada, além da sua esposa Marina que conversou muito com ele no hospital. Não aguentando a emoção de estar vivo e sabendo que quase todos os seus amigos do time não estavam mais dividindo o mesma sorte de estarem vivos. Alan chorou compulsivamente, disse que foi Deus quem o tirou do avião e que ele tinha mais uma missão nessa vida.

Publicidade
Publicidade

O lateral falou que que a emoção dos jogadores era muito grande, pois a Chapecoense, pela primeira vez, estava dando um passo muito importante ao disputar a final da Copa Sul-Americana.

Segundo Ruchel, todos estavam em festa dentro do avião. Um dos motivos de estar vivo, afirmou, foi que seu amigo Cadu pediu para trocasse de lugar com um dos jornalistas, pois todo o time estava sentado na parte da frente do avião.

O lateral esquerdo da Chapecoense deverá estará se apresentando e voltando a jogar novamente dentro de seis meses. Ele disse que vai honrar cada minuto que estiver em campo novamente.

História

O inicio do Alan nos gramados foi no time de base do Juventude, depois passou a jogar como meia no Clube de Caxias do Sul e, em seguida, foi emprestado para o Pelotas.

Alan retornou para o Juventude e acabou se firmando na equipe principal.

Publicidade

O lateral disputou o Campeonato Gaúcho de 2013. Depois, Alan foi contratado para jogar na série B pelo time da Chapecoense.

O início no clube de Santa Catarina não foi muito bom. Após seis partidas, o lateral fez o seu primeiro gol, mas no jogo seguinte acabou sendo afastado dos campos porque foi pego no exame antidoping.

O fato que marcou a sua carreira foi o trágico acidente de avião, que ocorreu no dia 29 de novembro. O lateral viu a sua vida passar diante de seus olhos e presenciou o triste fim de seus companheiros.

Devido o acidente, o título da Copa Sul-Americana foi concedido a Chapecoense, que recebeu uma grande homenagem em Medelin, na Colômbia, no dia que deveria acontecer a primeira partida pela final do torneio.